Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

White Kids on Dope.

por Fernando Lopes, 15 Jun 15

O título, uma paródia a outra, «White Punks on Dope» dos The Tubes, não é brincadeira. O que vulgarmente se associava à infância – ser irrequieto, distraído – ganhou o pomposo nome de défice de atenção. Há centenas de crianças da primária e do 2º ciclo a tomarem medicamentos para a pretensa doença, que no meu tempo se chamava infância, na pior das hipóteses traquinice. Os verdadeiros casos bem diagnosticados,  serão infinitamente menos que os dos miúdos «em drogas». A exigência dos programas, a pressão dos rankings, de pais e professores, transformam crianças de 8, 9 ou 10 anos em animais de competição escolar. Na turma da minha filha há pelo menos cinco rapazes a pastilhar. Há explicadores a partir do 2º ano, crianças que não gostam da escola, que se sentem frustrados pelos resultados não serem sempre excelentes. Estamos a criar uma geração à americana, de vencedores e perdedores, orientada exclusivamente para os resultados, esquecendo o prazer de aprender. Esta reportagem da RTP põe o dedo na ferida. É nossa obrigação tomar uma atitude antes que seja tarde demais.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas:

5 comentários

De bloga-mos a 16.06.2015 às 01:25

Querendo ou não já tomei uma atitude: não tenho filhos...

De Fernando Lopes a 16.06.2015 às 08:11

É a maior (e ao mesmo tempo melhor) irresponsabilidade que um tipo pode ter. 

De bloga-mos a 16.06.2015 às 08:42

Justamente injusto ou injustamente justo como de habitual não faço puta ideia Nando...

De Ana A. a 16.06.2015 às 17:20

Como a classe média está em declínio, estes tiques à americana também tendem a decair. E depois, ficam de um lado os filhos dos ricos com o melhor acesso a tudo o que é bom, incluindo a educação e os jobs, e do outro os pobretanas que em podendo ir à escola já se vão dar por muito felizes!

De Fernando Lopes a 16.06.2015 às 18:56

Desde sempre que são poucos os que conseguem vencer os constrangimentos do meio social em que nasceram. É triste mas verdadeiro, e não creio que as coisas tenham mudado por ai além nos últimos 40 anos. 

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback