Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Uma noite, uma tarde, dois filmes.

por Fernando Lopes, 27 Jul 17

maxresdefault.jpg

 

Quando era solteiro ia pelo menos uma vez por semana ao cinema. Casei, a vida mudou, os cinemas e os filmes também.

 

A primeira vez que fui ao cinema à noite tinha dez anos. Eu e o meu melhor amigo contamos aos pais a velha treta que íamos com o pai do outro e bora lá para uma sessão nocturna no Carlos Alberto. As cadeiras de pau custavam 7$50 (0,035 cêntimos para os mais novos), a plateia com cadeiras acolchoadas 10$00 (0,05 cêntimos). Sim, há 40 e tal anos, nos velhos cinemas populares, um bilhete custava 5 cêntimos.

 

Ontem, no Hollywood, vi um filme francês, «Amigos Improváveis», baseado numa história verídica, que conta a amizade entre um milionário francês paralisado num acidente de parapente, e um emigrante senegalês com um passado/presente atribulado. Uma bela história, plena de humanidade e momentos de humor. O jovem senegalês traz à vida de Phillippe uma irreverência e um tratamento igualitário a que este se tinha desabituado.

 

O de hoje, «Planeta dos Macacos: A Guerra» diverge muito do blockbuster de sci fi que esperaríamos. É sobretudo um filme sobre o mais humano dos sentimentos, a ânsia de vingança. Não é carne nem peixe, pois se desiludirá os intelectuais, terá efeito idêntico sobre quem espera um filme de acção. Está algures entre uma coisa e outra, e sem ser brilhante, também não desmerece.

 

Ide ao cinema jovens, ide, nem que para isso tenham de pregar um pêta aos pais.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas:

11 comentários

De Alice Alfazema a 27.07.2017 às 21:55

Também fui ver o Planeta dos Macacos, e como tu dizes, não é carne nem é peixe, desiludiu-me, com um produção daquelas podiam ter investido mais na história, saí de lá com a sensação de que não me acrescentou nada ao meu dia, eu gosto de ir e ter pena que o filme tenha acabado, este até me deu um certo alivio o fim, pois já estava a ficar monótono, era para ter ido ver a Múmia, mas o rapaz da bilheteira garantia que este era melhor. Gostos.


Eu, em miúda, ia ao cinema na igreja, numas salas onde davam também catequese,  passavam lá uns filmes de faroeste que era do melhor, as cadeiras também eram de pau, não me lembro se pagava bilhete, mas gostava muito de ir ao cinema lá. Era uma alegria. :)

De Fernando Lopes a 27.07.2017 às 22:52

É um filme que não é um filme de acção pura, nem sci fi, nem «normal». Acaba por não ser bom para nenhum dos públicos em questão.


Aqui no Porto existiam muito cinemas de reprise (Carlos Alberto, Terço, Olímpia and so on), que passavam filmes já mais antigos. Eram mais baratos e tinham cowboiadas - o povo a bater com os pés ao ritmo do galope -, terror, espionagem, de tudo. Em tempos pré telemóveis ou consolas eram a modernidade possível. :-)

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • Anónimo

    Quando a sorte é maniversa nada vale ao desinfeliz...

  • M Manel

    Só agora vi a mensagem anterior - note-se que quem...

  • M Manel

    Uma ajuda... Arranja aí uma base para eu poder de...

  • Anónimo

    Não volta?!Vá lá...Escrever faz bem...e ler também...