Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Tudo e um par de botas.

por Fernando Lopes, 19 Jan 17

Muitas mulheres têm rituais sazonais com roupa. Mudam as coisas do armário de verão para o de inverno, colocam umas num local prioritário em relação às restantes. Nenhum homem perde tempo com isso. Gajo que é gajo está-se nas tintas, apenas veste uma camisola quando está frio, nem sequer sendo muito exigente com o que lhe calha em sorte, bastando que esteja lavada. A chefa cá de casa andou a organizar os trapinhos, aproveitou para me propor uma limpeza dos meus. Tinha coisas que não vestia desde os anos 90, mas porra, eram as minhas coisas. Ora eu tenho «roupa afectiva». Explico o conceito: preservo um blusão de pele há mais de trinta anos porque a minha avó mo deu e porque naquela altura custou cinquenta contos, uma pequena fortuna; existem Levi's já meias podres que me recordam momentos felizes e não quero delas abdicar; tenho uma t-shirt de cada país que visitei e não planeio deita-las fora; conservo algumas tralhas de juventude porque me recordam esses tempos de Frei João Sem Cuidados. Obviamente, tive de ouvir a piada: mas é tudo afectivo para ti? É. Sou um tipo de afectos, até com as roupas crio algum tipo de relação. São cenas de gajo, minhas, as meninas não têm que compreender, apenas aceitar. Só um gajo ganharia alguma forma de amor a um par de botas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

19 comentários

De soliplass a 20.01.2017 às 12:35

E depois há as roupas «desafectivas». Um dos anúncios mais populares do site norueguês Finn do ano passado era de um tipo que anunciava que dava 99% das roupas o mais depressa possível. Anúncio irónico, escrito por um amigo do dador "recém solteiro", era dirigido a mulheres casadas que quisessem ter os maridos sob controlo. As roupas anunciadas como pouco apelativas (textualmente: «com riscas e assim, de corres horríveis») ou "não-sexy", humilhantes mesmo, tinham sido escolhidas pela mulher que (ao que diz o texto) ao mesmo tempo que "pulava a cerca" não o queria vestido de forma atraente: https://m.finn.no/bap/forsale/ad.html?finnkode=87211603&fks=87211603

De Fernando Lopes a 20.01.2017 às 12:53

Quem deixa que lhe escolham a roupa já chegou a um ponto sem retorno da sua liberdade e individualidade. Parece que, felizmente para esse camarada, se fez luz. Ou acenderam-na por ele.

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • M Manel

    Só agora vi a mensagem anterior - note-se que quem...

  • M Manel

    Uma ajuda... Arranja aí uma base para eu poder de...

  • Anónimo

    Não volta?!Vá lá...Escrever faz bem...e ler também...

  • Anónimo

    Que será feito do gerente desta coisa?Filipe em es...