Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Trincheira.

por Fernando Lopes, 6 Mar 16

Gosto de ouvir falar de casamentos perfeitos, daqueles em que os casais se conheceram na adolescência e até hoje permanecem unidos; adivinham pensamentos e desejos um do outro. Histórias quase exemplares, que existem a nosso lado.

 

Nunca a minha relação foi assim. Demasiado semelhantes na teimosia, no antes quebrar que torcer, o casamento antes me parece um longa guerra de trincheiras pausada aqui e ali por ocasional armistício. Dois modos de ser, ver, sentir, opostos não chegam para completar-se como se apregoa por aí.

 

Se um diz mata, logo o outro salta, faca na mão, à procura do escalpe do vencido. Tão natural esta batalha que se por acaso não guerreamos ou discordamos quem nos conhece logo manifesta estranheza pela calma aparente.

 

Podia ser de outro modo, mas não é. Reporte do soldado Lopes aos 6 de Março de 2016, firme do seu lado da trincheira. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

14 comentários

De Ana A. a 06.03.2016 às 18:33




"Soldado Lopes"Nem me atrevo a emitir opinião, que isto de trincheiras, facas e obuses não é comigo.
Em termos bélicos são objectora de consciência!
:)

De Fernando Lopes a 06.03.2016 às 19:44

Imagine dois casmurros que vêem a vida de modo completamente diferente. Têm forçosamente de entrar em choque. A metáfora bélica, embora exagerada, é um bom modo de descrever uma certa realidade. 


P.S. - Se ela ler este post vou ter de me esconder num abrigo anti-nuclear. Felizmente não liga às minha bloguices. 
Image

De Anónimo a 06.03.2016 às 19:54

Boa noite Fernando,

Mas regozijamo-nos por termos a sempre última palavra, sem a qual não eram possiveis tais treguas: "sim, querida, ..."

um abraço,
emanuel

De Fernando Lopes a 06.03.2016 às 20:25

Não eu pá, sou um resistente. Por muita porrada que leve, resisto sempre, estrebucho sempre. Não é que adiante grande coisa, mas é superior às minhas forças. É como a história do sapo e do escorpião...


Grande abraço.

De Anónimo a 06.03.2016 às 21:11

Interessante e desafiante sem dúvida, mas também pode ser muito cansativo. Mas essa paz de que fala também me parece trazer algum tédio. Em síntese, acho que não há mesmo relações perfeitas. 
~CC~

De Fernando Lopes a 06.03.2016 às 22:02

Desafiante, desgastante, sei lá. Quando ambos têm mau feito, pequenos conflitos escalam a proporções inusitadas. Não é fácil, nem perfeito, é simplesmente assim. Às vezes bem que apetecia um bocado de calma. ;)

De Inês a 07.03.2016 às 11:14

Já cá não vinha há uns tempos e hoje chego aqui e deparo-me com isto.
Tenho 51 anos, uma relação de quase 37 anos com o meu 1º namorado e marido (eu sei. Já não se usa, mas não me consigo controlar!), e perfeição? Isso não existe. De quando em vez, lá andamos às turras, com direito a amuos e tudo, mas acabamos sempre por nos entender e isso é que é importante. Viver uma relação é isso mesmo. Por isso, soldado Lopes, guarde a sua trincheira, mas não deixe de receber o "inimigo", quando for necessário.
Beijinhos
Inês

De Fernando Lopes a 07.03.2016 às 21:04

Respondemos bem e em conjunto, tirando isso somos como o azeite e a água. Como é que tem funcionado? Como é que dura? É um mistério.

De Anónimo a 07.03.2016 às 11:27

No próximo almoço promovo-te a general com a "grande" cruz da trincheira do Soajo.
Filipe condecorador... 

De Fernando Lopes a 07.03.2016 às 21:08

Quem de dera lá estar, a olhar para montes a perder de vista. Urbano de 3ª geração, descobri o meu gene de ruralidade. 

De redonda a 07.03.2016 às 22:09

Bem, pelo menos assim não será monótono...

De Fernando Lopes a 07.03.2016 às 23:26

Tudo menos monótono. 

De Um Jeito Manso a 07.03.2016 às 23:27

Amar com paixão, odiar com paixão, reconciliar com paixão -- e voltar ao princípio. 


Como é que refere lá em cima? Errar, errar outra vez, errar cada vez melhor. 


Mas que a paixão não se deixe morrer -- esse talvez seja o segredo. 

De Fernando Lopes a 07.03.2016 às 23:47

Não sei qual é o segredo, se é que existe. Intenso é, mas também sou um tipo que se poderia definir como «intenso». Certo é que é uma relação que vai sobrevivendo de sobressalto em sobressalto, contrariando tudo o que seria expectável ou sensato. 

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • M Manel

    Só agora vi a mensagem anterior - note-se que quem...

  • M Manel

    Uma ajuda... Arranja aí uma base para eu poder de...

  • Anónimo

    Não volta?!Vá lá...Escrever faz bem...e ler também...

  • Anónimo

    Que será feito do gerente desta coisa?Filipe em es...