Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Vagina com cheiro a pêssego.

por Fernando Lopes, 25 Nov 14

peaches-012.jpgImagem: The Guardian

 

Segundo o «The Guardian» uma startup americana, a «Sweet Peach Probiotcs», propõe-se comercializar um suplemento probiótico, que além de uma acção anti-bacteriana, permitiria uma espécie de truque biológico fazendo com as zonas íntimas das utilizadoras produzissem cheiro a pêssego.

 

Isto cria um problema grave para os fruticultores e consumidores em geral. Quem iria pedir um Compal de pêssego? E se após uma breve passagem pela banca da fruta saíssemos de lá com embaraçosa erecção? Os pêssegos em calda consideram-se uma espécie de vagina pronta a consumir? Os que não são particulares apreciadores de pilosidades púbicas optam apenas por pêssegos carecas?

 

Recorda-me um episódio de décadas, em que uma nossa amiga adolescente recém-vinda de França, quando perguntada sobre que produto usava para a higiene íntima, afirmou convicta: Bilitrão, um velho detergente para a loiça em tamanho XL. Estava obviamente a confundir com o famoso Dystron, um anti-séptico muito em voga nos anos 80.

 

A minha experiência diz-me que o melhor odor feminino é o de uma mulher bem-lavada, a cheirar a mulher. Excepção feita àquelas que por razões de pura falta de higiene não o fazem e consequentemente emanam um desagradável cheiro a pito-mal-lavado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

Na boca do povo

subscrever feeds