Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Passos style.

por Fernando Lopes, 7 Dez 12

 

Desenganem-se se pensam que o escriba vai largar longos pensamentos sobre a vacuidade que temos como PM. Não, também não vou escrever sobre o “queremos condições iguais à Grécia”,  “não, afinal não queremos, porque o sinistro Schäuble disse que era melhor não” ou a versão de hoje “queremos algumas condições, mas não todas.” Às 7:45 oiço a minha filha cantar “Ehhh Passos Coelho, dá-me mais austeridade, tu consegues com facilidade”. Pesquisei e encontrei o vídeo que petizes de 7 anos se divertem a mimetizar na escola. Quando um PM é alvo da chacota inocente de infantes, a sua legitimidade política desapareceu há muito, mesmo sem os avanços, recuos e desvios a que o referido invertebrado nos habituou.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Passos & Relvas S.A.

por Fernando Lopes, 7 Out 12


As razões porque Helena Roseta se calou durante 10 anos só ela saberá. Não existem culpados sem julgamento, dou por isso o benefício da dúvida a ambos. Mas, senhores, 82% do valor das candidaturas aprovadas no âmbito do Programa Foral, parece Coelho escondido com Relvas de fora. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Primeiro foi Sócas, de má memória. Como estafeta prestimoso, levava os sucessivos PECs à gorda, sem ouvir os interessados. Agora, Coelho, comunica à troika e Comissão Europeia medidas que se escusa apresentar aos portugueses. Não surpreende pois que 87% dos eleitores regurgite cada vez que se fala de democracia. Os partidos e os seus representantes têm um noção meramente utilitária dos cidadãos. Antes das eleições fazem-nos juras de amor eterno, prometem aumentar as pensões, cuidar das criancinhas, proporcionar porto seguro aos desprotegidos. Frequentam feiras e distribuem beijinhos a velhas desdentadas. Eleitos, acham que o povo não merece a sua clarividência, ignoram parceiros sociais, esquecem tudo o que prometeram, desprezam os seus concidadãos. Para uma comissão liquidatária, composta por autistas, não são necessárias eleições ou políticos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Dead man walking

por Fernando Lopes, 28 Set 12

 

É o calão usados pelos guardas prisionais quando escoltam os condenados à morte, das celas até à sala de execução. Ontem, ao ver Passos no ISCSP, não consegui afastar a imagem do condenado que caminha para a "solução final". A intervenção musculada sobre um jovem, agudizou essa certeza. Eram quase tantos os seguranças como os estudantes. Os eleitores são tolerantes, mas não suportam a mentira sistemática. Existe um ponto, ninguém sabe exactamente onde, em que essa confiança se quebra e nunca mais é reposta. Alguns exemplos do discurso de um morto que caminha:

 

"Ninguém nos verá impor sacrifícios aos que mais precisam. Os que têm mais terão que ajudar os que têm menos."

 

"Se vier a ser necessário algum ajustamento fiscal, será canalizado para o consumo e não para o rendimento das pessoas."

 

"Se formos Governo, posso garantir que não será necessário despedir pessoas nem cortar mais salários para sanear o sistema português."

 

"O PSD chumbou o PEC 4 porque tem de se dizer basta: a austeridade não pode incidir sempre no aumento de impostos e no corte de rendimento."

 

Passos perdeu o país. Dead man walking.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O psicodrama Passos (fim).

por Fernando Lopes, 18 Set 12

Este é um blogue pessoal que ocasionalmente também reflecte sobre política. As últimas postas têm sido unitemáticas por uma razão simples: não consigo encontrar um fio condutor racional nestas políticas. Na passada quinta assisti à entrevista do senhor dos Passos. Se entrei baralhado, saí pior. Ouvi um liberal, defensor da iniciativa privada, armar-se em regulador ao recomendar ao merceeiro Belmiro que baixe os preços. Já antes Gaspar, como que possuído pelo velho espírito soviético, tinha afirmado que ira controlar a tesouraria das empresas, obrigando-as a depositar a poupança com a TSU numa conta controlada pelo estado. Como é que isto se faz? Como é que o governo controla a lei da oferta e da procura? Com que legitimidade é que intervém na tesouraria das empresas? Fui procurar respostas nos jornais económicos e só encontrei dúvidas. Não estou só. Descobri também este magnífico artigo, que partilho:


Portugueses estão a viver abaixo das suas possibilidades

Em entrevista à RTP, o primeiro-ministro explicou ao País a razão pela qual Portugal, depois de tantos sacrifícios, falhou a meta do défice: os portugueses puseram-se a poupar e gastaram menos  do que podiam. Resultado o consumo veio por aí abaixo e as receitas fiscais ressentiram-se.

“A poupança cresceu ao longo deste ano a uma dimensão que não esperávamos”, disse Passos Coelho. “O que se passou”, continuou, “é que muita gente, por receio ou por precaução, tinha dinheiro para gastar e não gastou. As pessoas podiam ter comprado automóveis! Tem um efeito positivo”, admitiu, porque “saiu menos dinheiro do País, mas as receitas fiscais baixaram”.

Ou seja, a culpa é das famílias portuguesas. Depois de terem passado uma década a viver à grande e à francesa, levando o Pais à pré-falência, agora as mesmas famílias tiveram o descaramento de consumir menos do que deviam. É caso para dizer que depois de viverem acima das suas possibilidades, os portugueses estão agora a viver abaixo das suas possibilidades. Grandes nabos! Como castigo, o Estado fica-vos com 7% do salário. E agora lembrem-se de não consumir em 2013!

 

Original aqui

Autoria e outros dados (tags, etc)

Passos Coelho exorcizado em público

por Fernando Lopes, 17 Set 12

O pastor Edir Macedo coordenou a cerimónia, dando assim, a credibilidade que faltava a Passos.

 

- Eu estarem possuído pelo Gaspar e pelo Relvas, mas graças ao pastor, eles abandonarem o meu corpo. Eles entrarem-me por todos os orifícios, causarem-me este emagrecimento notório e uma total falta de senso. Felizmente já estou muito melhor.

 

- Mas, senhor primeiro-ministro, o sr. está a falar de um modo estranho.

 

- Isto dos exorcismo não é uma ciência exacta e o pastor Edir, ao afastar aqueles malandros, deixou um bocadinho de espaço para Jesus entrarem.

 

- E não era isso o pretendido?

 

- Ó homem, você não está a aperceber. Não é esse Jesus, é o do Benfica. Ser uma forma de eu expiarem os meus pecados. É por isso que adquiri esta estranha forma de me exprimir. É à Jesus.

 

- E os custos senhor primeiro-ministro, vão para o erário público?

 

- Tem de serem meu caro amigo. Nada é de graça e a IURD cobra o dízimo sobre o líquido. Onde é que julgarem que eu tirei estas ideias sobre impostos?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gaspar e Relvas despedidos em directo na TVI.

por Fernando Lopes, 17 Set 12

Depois da manifestação de ontem, após as declarações de Portas, da esquerda à direita, não restam grandes dúvidas que o governo está entre a espada e a parede. A Passos não restam grandes opções: ou despede Gaspar e Relvas ou se afunda com eles.

 

Marcelo, na sua homilia semanal, foi bem claro. É necessária uma remodelação governamental que leve para longe a peçonha. O frenético Relvas e o taliban Gaspar são os dispensáveis, transformaram-se num lastro que Coelho não consegue arrastar, um pelo chico-espertismo, pela tendência para a negociata, o outro pelo fundamentalismo ideológico.

 

É a sua única hipótese de sobrevivência a esta crise política. Não será suficiente para salvar a face, e assistiremos a um penoso arrastar de um primeiro-ministro que não compreendeu algo de fundamental na política: seja por que motivo for, não se pode governar contra os cidadãos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pedro, isto é uma carta de amor.

por Fernando Lopes, 15 Set 12

Pedro,

 

Desde que iniciaste o estilo espistolar no facebook, tens recebido inúmeras respostas. Esta é mais uma, no estilo confessional que tanto aprecias. Dirigo-me a ti como trabalhador, cidadão e pai. O que te quero dizer é que estamos com imensas dificuldades em compreender as tuas medidas e obstinação. O uso do plural não é dispiciendo uma vez que milhares de pessoas com a mesma dificuldade de aprendizagem se juntaram hoje por todo o país.

 

Como deverias saber, um país não se governa para concretizar modelos académicos, mas, como disse Abraham Lincoln no discurso de Gettysburg "…do povo, pelo povo, para o povo."

 

Contrariando tudo o que tinhas prometido na campanha eleitoral (não é preciso lembrar, pois não?), não cortaste na gordura do estado mas na febra dos portugueses. Eu entendi, a gordura somos nós, o povo que te impede de, com a ajuda do camarada Borges, transformar Portugal no Vietname da Europa sem um pingo de contestação. Deixa-me só dizer isto: Não resulta. Haverá sempre quem faça mais barato.

 

Venho, por isso, pedir que te demitas. Certamente que na Goldman Sachs, BCE ou FMI, te encontrarão um lugar de prestígio, um cadeira de executivo e uma secretária de mogno. Pagar-te-ão muito mais do que a ninharia que aqui recebes e não ouvirás dizer mal da senhora tua mãe.

 

Proponho que leves contigo o camarada Gaspar. Para o aliciares, basta explicar-lhe que lá têm a última versão do Excel, com macros, pivot tables e um módulo de gráficos que é uma pinta. Nesse mundo virtual tudo funciona na perfeição, se aparecer #Error, pode-se sempre apagar a célula. Ela nunca contesta.

 

Certo de que me lerás com toda a atenção, despeço-me com um sentido "até nunca".

 

Sou quem sabes,

 

Fernando Lopes

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • M Manel

    Só agora vi a mensagem anterior - note-se que quem...

  • M Manel

    Uma ajuda... Arranja aí uma base para eu poder de...

  • Anónimo

    Não volta?!Vá lá...Escrever faz bem...e ler também...

  • Anónimo

    Que será feito do gerente desta coisa?Filipe em es...