Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Profetas.

por Fernando Lopes, 13 Jan 17

A turba gosta do sentimento de pertença, vai daí afadiga-se a militar em associações várias, de clubes a partidos, passando por sindicatos, associações culturais e recreativas, clubes de golfe, religiões esotéricas ou nem por isso. Talvez por ter sido descartado pelos meus pais desde os três meses de idade, nunca a nada pertenci. Gosta o maralhal de se sentir parte de algo maior que si mesmo, transformando a pólis de cidadãos em algo muito similar a rebanho. Todo o grémio precisa de pastor, logo surgem bem intencionados, falsos profetas, charlatães, manipuladores, e espécies variadas, que ao que dizem, trabalhando em prol da cáfila, se abocanham ao maior pedaço. Que as sanguessugas façam pela vida é normal, da sua natureza. Pasmo perante a adulação dos cretinos que, enganados, roubados, secundarizados, seguem alegremente o líder, acriticamente incensando quem chegada a hora se deles descartará como se enxota incómodo muscídeo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas:

4 comentários

De Ana A. a 13.01.2017 às 20:47

"Talvez por ter sido descartado pelos meus pais desde os três meses de idade, nunca a nada pertenci." 

O que poderia ser um handicap é na verdade uma vantagem! 
Subscrevo o estado de espírito!
(notei a "influência" do Mestre, na acidez da crónica...)

De Fernando Lopes a 13.01.2017 às 21:24

No fundo tive sorte, fui criados pelos meus avós, duas pessoas maravilhosas, mas o trauma fica sempre. Ninguém se sentirá confortável em ser descartado por aqueles que o geraram, no entanto isso fez com que tente ser muito melhor pai do que o meu foi para mim. 

Não sei se houve influência, talvez inconscientemente, mas se existiu é motivo de orgulho. :)

De redonda a 18.01.2017 às 20:01

A iniciar novo desafio de escrita - tenho de enviar o primeiro texto que ainda não escrevi até à meia-noite e nada inspirada, fiquei esmagada com o muscídeo

De Fernando Lopes a 18.01.2017 às 20:46

É velho hábito meu, o de procurar palavras estranhas. As palavras não esmagam, libertam. Liberta a imaginação, fá-la voar, e o teu texto aparecerá num instante. 

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback