Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Procuramos sempre um primeiro amor.

por Fernando Lopes, 8 Fev 15

you'll always be my favorite what if.jpg

 

Apesar da minha escassez de experiência na matéria gosto de discorrer sobre amor, de desvendar o que me passa pelo pensamento. O ditado «não há amor como o primeiro», lançado ao ar com ligeireza, deixou-me a pensar sobre o tema.

 

De facto, não há. Digo-o no sentido de ser incondicional, não estar preso a valores ou normas, desinteressado, num estado de pureza que o tempo se encarrega de corromper. Quando nos apaixonamos pela primeira, ou primeiras vezes, pouco nos interessa o mundo que nos rodeia. Só existe aquela pessoa, tudo para lá dela é insignificante. Achamo-la bonita mesmo que o não seja, não importa se é inteligente ou não, não existe futuro, só o aqui e agora que o bailado do coração e hormonas nos dita.

 

É coisa animal, no sentido mais nobre que animal tem.

 

Com o tempo passamos a valorizar o intelecto, sensibilidade, desempenho profissional e outros factores que na adolescência nem sequer nos passavam pela cabeça. Sentíamos e isso era mais que suficiente. De modo pueril, confesso que procurei sempre um primeiro amor, desses que é 100% paixão e 0% de racionalidade. Dou por mim a desejar voltar a ser o rapazinho que apenas sente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas:

4 comentários

De Anónimo a 09.02.2015 às 23:57

De Fernando Lopes a 10.02.2015 às 07:52

Obrigado, Paulo.

De .. a 12.02.2015 às 00:15

Ai como eu continuo nesta senda. Fez-me tanto lembrar o que o Fernando escreveu algo que penso que escrevinhei ou ontem ou antes de ontem e nem sei se publiquei. É verdade quando amamos muito e também pela primeira vez desaparece tudo ao redor. é ali em quem se ama que está o centro do mundo e nem que seja menos dotado é o mais belo mais especial e é tão único e bom sentir isso. Um beijinho a todos se me permite e um excelente resto de semana. Bem haja!

De Fernando Lopes a 12.02.2015 às 19:05

Há uma inocência que se perde com a maturidade e que gostaria de reganhar. O tempo é, infelizmente, destruidor de ilusões. 

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • JOSÉ RONALDO CASSIANO DE CASTRO

    O Pretinho do Japão é citado, como profeta, em Ram...

  • Anónimo

    Quando a sorte é maniversa nada vale ao desinfeliz...

  • M Manel

    Só agora vi a mensagem anterior - note-se que quem...

  • M Manel

    Uma ajuda... Arranja aí uma base para eu poder de...