Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Por tua causa ando a alugar o bacalhau.

por Fernando Lopes, 30 Set 16

Hora de almoço. Enquanto me dirijo para o trabalho, uma profissional do amor caminha atrás de mim e discute acaloradamente com o seu empresário ao telemóvel. O linguajar da senhora é intenso, e reparem, estou habituado a intensidade desde que de tenra idade acompanhava a avó ao Bolhão. Entre múltiplos, caralhos, foda-se, sai-lhe um putinha que te pariu. Achei ternurento, putinha que te pariu é quase como dizer «a tua mãe não é lá muito séria, mas paciência». Depois remata com um «por tua causa é que ando a alugar o bacalhau». Simplesmente poético. De facto, a transacção comercial vulgarmente conhecida como prostituição, não passa de um aluguer. Não vende, porque isso significava propriedade permanente, hipoteca, o diabo a quatro. Não dá, porque tal seria de borla, arruinaria o negócio, teria de pedir um Plano Especial de Revitalização (PER). Suponho que só dê, mesmo dado, ao manager com quem trocava ideias e a um ou outro amigo de ocasião. De facto, trata-se de um aluguer. Quando um tipo pensa que já ouviu quase tudo, há sempre uma meretriz que nos faz notar que a língua – a falada, está bom de ver – pode ser enriquecida com coloridas definições.

Autoria e outros dados (tags, etc)

17 comentários

De alexandra g. a 30.09.2016 às 22:24

Sei, by now, que não és preconceituoso, ou jamais aqui regressaria, mas


"até as mulheres da vida conseguem descrever a profissão de um modo criativo"


convenhamos... contém preconceito, ligeirinho, ligeirinho ("até..."), mesmo sabendo que também comporta elogio (a criatividade: e quem não a tem? de resto, a cama é dos lugares onde deveria falar mais alto :P)

De Fernando Lopes a 30.09.2016 às 22:40

«Até» por se revestir de alguma improbabilidade, só isso. Se ouvisses o palavreado, por certo não esperarias que terminasse de forma tão poética. 

De alexandra g. a 30.09.2016 às 22:42

Mas improbabilidade, porquê, Fernando?

De Fernando Lopes a 30.09.2016 às 22:47

De uma pessoa calejada pela vida daquele modo, com uma rudeza- justificada, bem sei - muito grande, que insulta um chulo, eu e apenas eu, fiquei surpreso. Serei um burguês de merda? Talvez sim, talvez não. 

De alexandra g. a 30.09.2016 às 22:52

Não és, seguramente, um burguês de merda, és um gajo decente (estou, propositadamente, a esquecer-me do episódio com a Pilar :P) mas, desta vez (não me recordo de outra e, repara, não te leio há tanto tempo assim), foste absolutamente burguês. O facto de apreciares o cotê poétique não retira, àquilo que escreveste, o lado burguês. No worries, however, somos classe média, cada um de nós revela o seu, a seu modo :)

De Fernando Lopes a 30.09.2016 às 23:22

Sou simplesmente o produto do meio onde fui criado, como dizia António Aleixo. 

De alexandra g. a 30.09.2016 às 23:27

deixa-te de merdas, és muito mais e isso eu sei, já o li aqui :D

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • M Manel

    Só agora vi a mensagem anterior - note-se que quem...

  • M Manel

    Uma ajuda... Arranja aí uma base para eu poder de...

  • Anónimo

    Não volta?!Vá lá...Escrever faz bem...e ler também...

  • Anónimo

    Que será feito do gerente desta coisa?Filipe em es...