Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pequenos milagres.

por Fernando Lopes, 8 Jun 16

flores.jpg

 

No edifício onde trabalho há vários anos que foi proibido fumar nas escadas. Criaram-nos uma espécie de paragem de autocarro, três lados vedados, onde os párias podem dar azo à sua adição tabágica. Por baixo dessa espécie de terraço trabalham mais de cem pessoas. A superfície é coberta por várias camadas de tela alcatroada sobre a qual colocaram seixos para ajudar na impermeabilização.

 

Nada mais árido que asfalto e pedra, certo? No entanto algumas plantas insistem em crescer, teimosas e resistentes, sobre o que foi concebido para não permitir nenhuma forma de vida.

 

A explicação botânica sei-a vagamente, não impede de me maravilhar e andar a observar há vários dias estes pequenos milagres sobre a forma de flores. A natureza ensina-nos a resistir, a ser férteis onde só existe esterilidade. Penso para comigo como posso tirar lições, pondo de lado a depressão crónica e lutando, pois até onde tudo foi feito para que nada nasça, obstinadamente, uma impossibilidade floresce.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas:

12 comentários

De alexandra g. a 08.06.2016 às 19:35

Basta recordar que, onde aconteceu desflorestação, mais dia, menos dia, a floresta regressará, invadindo/retomando a sua terra :)

De Fernando Lopes a 08.06.2016 às 19:43

Assisti a isso, ao vivo e a cores, há 12 ou 13 anos em S.Tomé. Tínhamos de nos deslocar para um ilhéu e a estrada foi literalmente engolida pela floresta. Fazíamos um desvio para a retomar uma centena de metros à frente. O asfalto tinha sido tragado pelo mato. 

De alexandra g. a 08.06.2016 às 20:06

p.s. - lendo-te, jamais diria que és um depressivo (e logo crónico), de onde se conclui, uma vez mais, que a escrita é terapêutica (ou seja, refloresta), certo, Fernando? :)

De Fernando Lopes a 08.06.2016 às 20:35

Acho que o termo clínico é borderline, um pateta funambulista. A escrita é uma forma de terapia, um confessionário a céu aberto. :)

De Ana A. a 08.06.2016 às 19:59

"...pois até onde tudo foi feito para que nada nasça, obstinadamente uma impossibilidade floresce."

Porque não é uma impossibilidade, de facto. 
A natureza maravilha-me pelo cumprimento rigoroso das suas leis. E nós, seres intencionais, tão pouco fazemos com as nossas possibilidades.


(Tenho andado ausente, porque mudei de casa e fiquei sem net) ;)

De Fernando Lopes a 08.06.2016 às 20:36

Tenho tantas saudades desse seu contraponto zen, Ana.


Beijo, e dos grandes.

De Anónimo a 09.06.2016 às 10:15

Estou seguro de que a razão para tanta fertilidade vegetabilia provém do facto de por lá tanto deambulares. No fundo e em cima és um jardineiro telepático.
Filipe Lineu

De Fernando Lopes a 09.06.2016 às 22:52

Entendi. Uma espécie de Abelha Maia com pénis. ;)

De Lucília a 10.06.2016 às 23:09

Bom texto.Só quando soube o que era, só quando a senti na pele depois de uma "dor" horrivel é que percebi o carago do milagre que é andar à tona, o que é acordar de manhã e conseguir "viver."sono?preguiça? O que é isso comparado com a não vontade de viver?...
Com a falta de milagres na nossa cabeça.






De Fernando Lopes a 10.06.2016 às 23:36

É de facto, um milagre que concretizamos todos os dias. Que venham décadas miraculosas. 


Abraço.

De Helena A. a 14.06.2016 às 11:46

Olá Fernando!
O Ser Humano é pequenino perante a Natureza... Não há nada que a Natureza não consiga!
Quanto à depressão, também tenho uma, mas a minha ainda não tem o diagnóstico de crónica... A luta é diária e constante.
Cumprimentos de Lisboa!

De Fernando Lopes a 14.06.2016 às 13:12

Um enorme abraço é só o que posso enviar. :)

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • M Manel

    Só agora vi a mensagem anterior - note-se que quem...

  • M Manel

    Uma ajuda... Arranja aí uma base para eu poder de...

  • Anónimo

    Não volta?!Vá lá...Escrever faz bem...e ler também...

  • Anónimo

    Que será feito do gerente desta coisa?Filipe em es...