Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pelo direito à blasfémia.

por Fernando Lopes, 18 Jan 15

pope.jpgImagem: Cristina "Krydy" Guggeri

 

Todas as religiões são intolerantes em relação a quem não acredite na sua verdade. Ponto. Todas têm como objectivo converter; é essa a sua natureza, o que assegura a sua sobrevivência enquanto comunidade, o rendimento para manter a sua estrutura hierárquica e de fiéis. Sem dinheirinho não há templos, padre, imã, sacerdote, rabino, monge. Todas dão uma solução para o único problema insolúvel, a morte. Seja através do céu, virgens, reencarnação, prometem alguma forma de prolongamento da nossa precária existência.

 

Depois há os outros, os ateus, que acreditam que são um acaso da natureza e que um dia esse acaso termina. Inexoravelmente. Definitivamente. Para toda a eternidade, seja lá ela o que for.

 

É por isso que o caso do Charlie Hebdo gera tantos «ai não sei», «não sou Charlie», «há coisas com que não se brinca». É por isso que fugiu o pé para a intolerância ao bom do Papa Francisco, com o pensamento lapidar «Se o meu bom amigo Dr. Gasparri ofender a minha mãe, deve preparar-se para levar um soco. É normal, é normal. Não se pode provocar.»

 

Numa sociedade livre e civilizada, excepto a vida, nada é sagrado. Como nós ateus não estamos à porta da igreja a bater nos fiéis, impedindo-os de entrar, qualquer crente de qualquer religião, pode não gostar, mas tem de aceitar o direito à blasfémia. Sem agredir quem seja cáustico com as suas crenças. É essa capacidade de tolerar, até defender o que não gostamos, que é defesa da liberdade. Que deveria ser a suprema mostra de fé de todos os crentes de todas as religiões. Aceitar, mesmo o que lhes é estranho ou hostil. Tudo o resto são meias-tintas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

7 comentários

De Henrique felix a 22.01.2015 às 20:03

Devo discordar pimentaeouro, o que há de "amar pai e mãe" por exemplo?
Ou por exemplo o que há de irracional em amar o próximo indiscrime do que ele faça ou professe?
Essa é uma análise muito simplista da fé, acreditar que ela consista em uma espiritualidade dissociada da vida cotidiana.
De fato existem pontos onde entra a fé naquilo que não se vê ou naquilo que se espera, e nesse mérito não entrarei porque há necessidade de conhecimento prévio, mas não implica que na religião não há o uso da razão.
Entendo a defesa da liberdade ilimitada, mas ela é inconcebível numa sociedade, tendo em vista que haverão conflitos de direitos, aquilo que me agrada fazer pode ofender o outro. E nesse sentido, não seria tolhir a liberdade dos religiosos que reagiram de acordo com o que eles chamam de liberdade?

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • JOSÉ RONALDO CASSIANO DE CASTRO

    O Pretinho do Japão é citado, como profeta, em Ram...

  • Anónimo

    Quando a sorte é maniversa nada vale ao desinfeliz...

  • M Manel

    Só agora vi a mensagem anterior - note-se que quem...

  • M Manel

    Uma ajuda... Arranja aí uma base para eu poder de...