Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Patchwork ou dignidade na simplicidade.

por Fernando Lopes, 25 Mar 17

Sempre que possível, desço da Boavista ao meu útero urbano, Cedofeita. Álvares Cabral abaixo – onde vivi os trinta primeiros anos da minha vida – observo do outro lado da rua uma idosa e o seu cão. Sempre me enterneceram estas duplas velho-cão. O binómio – com sói dizer-se na cinotecnia – tem uma dinâmica própria. Ou os cães são, também eles, velhinhos, ou adoptam uma postura cuidadosa com os gerontes, não puxando, fazendo suas dores e maleitas do dono. Existirão poucos fenómenos mais empáticos que um cão e o seu dono velhinho. O que sobe castanho com pêlos brancos, acompanha a dona com enlevo. É colorido. Traz um casaquinho de cão, que mais não é que um conjunto de pegas de tacho, daquelas que as nossas avós tricotavam, unidas num trabalho de patchwork. Não há dinheiro para comprar roupa de cão, tricote-se. Há dignidade e carinho na indumentária colorida do bicho.

Autoria e outros dados (tags, etc)

6 comentários

De C.S. a 25.03.2017 às 16:07

Também é ternurento este testemunho.

De Fernando Lopes a 25.03.2017 às 17:57

Obrigado, C.S. :)

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • M Manel

    Só agora vi a mensagem anterior - note-se que quem...

  • M Manel

    Uma ajuda... Arranja aí uma base para eu poder de...

  • Anónimo

    Não volta?!Vá lá...Escrever faz bem...e ler também...

  • Anónimo

    Que será feito do gerente desta coisa?Filipe em es...