Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O rei Wolof.

por Fernando Lopes, 21 Dez 14

A primeira vez que o vi olhava fixamente para o homem das castanhas. Tem o aspecto de um velho patriarca Wolof, mais de um metro e oitenta, carapinha grande e cinzenta, olhos muito abertos, uma velha gabardina bege, suja e gasta. Uma figura imponente com um ar lunático, não conseguimos perceber se por detrás daqueles olhos imensos e arregalados está o pasmo, a loucura, ou um bocado de ambos.

 

Imaginei-o um rei senegalês, desterrado para uma terra fria e estranha, povoada por gente morena e baixinha onde se sentia alienígena. Como os wolofs antes dele, tinha migrado África abaixo, fugindo à desertificação, ao sirocco que tudo queima. Tinha sido um rei com muitos filhos, lutador incansável como Battling Siki, agricultor e pescador respeitado. A guerra de Casamansa tinha-o trazido para a Europa, um refugiado de guerra sem estatuto, caminhante perdido no velho mundo.

 

No saco plástico que o acompanhava trazia ar quente de África, cheiro a terra húmida, pós e unguentos maravilhosos, como se a essência de um continente estivesse ali miraculosamente armazenada. Neste soba vi a África que me inunda os sentidos e a saudade, porque nascido neste país pequenino, por razões que eu mesmo desconheço, sou na alma um bocado africano.

 

Hoje, os castelos no ar que construi à volta desta personagem sofreram um sério abalo quando o vi caminhar, ébrio e frágil, para o albergue da Rua dos Mártires. Vou esquecer este momento e continuar a sonhar com o rei Wolof.

Autoria e outros dados (tags, etc)

4 comentários

De golimix a 22.12.2014 às 18:05

Os melhores reis e os mais fortes também sofrem os seus abalos....

De Fernando Lopes a 22.12.2014 às 19:44

Não sei porquê, mas muitas vezes faço «estórias» à volta de pessoas que vejo na rua. Foi o caso, e a crueza da realidade encarregou-se de derrubar o imaginário como um baralho de cartas.

De golimix a 23.12.2014 às 09:59

Hoje de manhã cedo pensei nessa tua estória. Estava um homem frangalho às 8 da matina podre de bêbado a ser travado de entrar num café e a armar um pequeno drama. À vinda da volta já a polícia lhe fazia companhia ao frio. Provavelmente na esperança de lhe curar a coisa. 

De Fernando Lopes a 23.12.2014 às 13:43

Tenho muita dificuldade em ser juíz nessas situações. A roda da vida poderia ter-me colocado nesse lugar.

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • JOSÉ RONALDO CASSIANO DE CASTRO

    O Pretinho do Japão é citado, como profeta, em Ram...

  • Anónimo

    Quando a sorte é maniversa nada vale ao desinfeliz...

  • M Manel

    Só agora vi a mensagem anterior - note-se que quem...

  • M Manel

    Uma ajuda... Arranja aí uma base para eu poder de...