Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O que o berço dá, a tumba o tira.

por Fernando Lopes, 21 Out 15

Por questões de orçamento e proximidade, mais a primeira que a segunda, almoço todos os dias na praça de alimentação de um centro comercial. Embora também tenha a opção do Mercado do Bom Sucesso, o local é demasiado pretensioso para os meus objectivos. Experimentei vários estabelecimentos, em quase todos comi coisas vulgares com um toque de suposto cosmopolitismo. Será bom para os aspirantes a queques ou seguidores de modas, lamentavelmente nem a comida nem o espaço me convencem. Manias.

 

A zona tem imensos escritórios, bancos, companhias de seguros, consultórios médicos, e essa é a fauna que frequenta a zona.

 

Diariamente me espanto com a falta geral de maneiras à mesa. De homens, mas também de mulheres. Hoje dediquei-me a reparar nos comportamentos pelos quais a mãe ou avó me premiariam com um calduço. Observação número um: senhora chiquemente vestida, sapatos de design hipermodernista, a lamber a faca; senhora número dois a usar a mão até ao punho como improvisado paliteiro – diga-se em abono da verdade que abomino o uso de tal utensílio; jovem rapariga número três, híper-perfumada, cabelo impecável, saia-casaco executivo, em vez de comer a sopa com a colher, pega na tigela com as duas mãos e sorve o conteúdo com enorme musicalidade para gáudio dos meus ouvidos; o clássico bronco que mastiga com a boca aberta enquanto fala, exibindo orgulhosamente o bolo alimentar e dispersando-o, já salivado, em várias direcções. Útil quando existem pássaros e pombos nas redondezas, num espaço fechado, desperdício alimentar.

 

«O que o berço dá, a tumba o tira», pode-se emperiquitar um boçal, isso não o torna menos boçal. Se contratasse alguém, uma das coisas que faria seria convidá-lo(a) para um almoço. Más maneiras à mesa seriam factor de exclusão.

Autoria e outros dados (tags, etc)

12 comentários

De Maria Alfacinha a 21.10.2015 às 17:53

Ahahahaha eu sou assim também: detesto más maneiras à mesa e não consigo dar a volta a isso. O escarafunchar o nariz ou cuspir para o chão também têm o mesmo efeito em mim Image

De Fernando Lopes a 21.10.2015 às 18:14

Não sou minimamente elitista, mas não dispenso educação básica. Se olhares para as pessoas com atenção deparas com comportamentos assustadores. 

De Ana A. a 21.10.2015 às 19:54

Fernando, tive que procurar no final do post no "Temas:" se não pertencia à série "viagens no tempo numa cápsula espacial"!
Explico: toda essa fauna concentrada, no mesmo sítio, à mesma hora, é dose! E já agora, nem é preciso vir do berço, qualquer pessoa com dois dedos de testa vai evoluindo nessa área, se por acaso teve o azar de ter uma infância troglodita.
Fico com uma dúvida: não terá sido um flash mob encomendado pelo Bom Sucesso para afugentar a clientela da concorrência?! :)

De Fernando Lopes a 21.10.2015 às 21:08

Infelizmente é real. A sua ideia da flash mob é boa, ainda a aproveitam. Sendo mauzinho e continuando numa de provérbios, são a prova que o hábito não faz o monge, e que por detrás de um aparente verniz há muita gente que não aprende nada. 

De Fernando Lopes a 21.10.2015 às 21:13

Agora imagine uma senhora toda pipi a meter os dedos na boca e escarafunchar os dentes... braghhhhhhh. 
Image

De Anónimo a 21.10.2015 às 20:12

Para mim mais grave do que os maus modos dos outros é a ignorância e a estupidez natural que, para mal dos meus pecados,  me rodeia das 9 às 5. Maus modos são os bocejos ruidodos que me agridem os ouvidos. Mas será que aquela gente não dorme o suficiente, TODAS AS NOITES?
mm


De Fernando Lopes a 21.10.2015 às 21:11

Eu tenho um problema de sono, mas não me espreguiço ou bocejo em público. É natural que os bocejos sejam um forma não muito subtil de chamar a atenção dos trabalhadores, a má-criação essa é transversal. Ignora-os. :)

De G. a 22.10.2015 às 08:52

Caraças, sem tirar nem pôr, tal e qual. Tenho tão pouca tolerância para quem não tem maneiras...


(é isso e o stáile dos óculos de sol na cabeça, tipo bandólete! Grrrrrrrrrrr!!!)

De Fernando Lopes a 22.10.2015 às 19:41

Não é do teu tempo, mas existiam uns livros de meditação/espiritualismo/filosofia oriental que falavam no terceiro olho (e não, não é esse que estás a pensar), escritos por um tal Lobsang Rampa. Podem ser para isso os óculos na cabeça. ;)

De G. a 22.10.2015 às 20:53

Ahahahahahahahahhahahahahah!


Tu queres lá ver!!!


(78 ;)

De MZ a 22.10.2015 às 19:07

As sopas são um grande problema que quando não treinado o equilíbrio da colher/conteúdo, sorve-se como um animal.O resto é embrulho.

;)

De Fernando Lopes a 22.10.2015 às 19:42

As sopas passadas são para meninos. Aqui Zezinho gosta de trincar as couves, e não faz barulho, nem mostra os vegetais à população. :)

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback