Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Papa Francisco e os pobres.

por Fernando Lopes, 30 Jun 14

O Papa Francisco é uma personagem que me agrada, simples, despretensioso, com capacidade para discutir a homossexualidade, o sacerdócio feminino e tudo que não seja um dogma de fé. Esta urbanidade e modernidade é um dos seus grandes atractivos, mesmo para ateus assumidos como eu. A igreja católica há muito merecia alguém assim, capaz de acompanhar o tempo que corre.

 

No melhor pano cai a nódoa, e a afirmação de Francisco:«Os comunistas roubaram-nos a bandeira. A bandeira dos pobres é cristã [...]. Os comunistas dizem que tudo isto [a pobreza] é algo comunista. Sim, claro, como não? Mas vinte séculos depois [da escritura do Evangelho]. Quando eles falam nós poderíamos dizer-lhes: pois sim, sois cristãos»,parece-me limitativa. Os pobres não são «bandeira» mas dura realidade que todas as pessoas de bem gostariam que não existisse.

 

Limitar a empatia com os pobres aos cristãos e comunistas é uma visão parcelar da realidade. Há pessoas de centro, de direita, com grande capacidade de dar, entrega, lutadores empenhados contra a pobreza. A luta contra esta praga não é limitada por barreiras ideológicas ou religiosas como parece crer Francisco, mas de todo aquele que aspira à dignidade para a humanidade. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

7 comentários

De Ana A. a 30.06.2014 às 21:37

Mas a bandeira dos pobres sempre serviu aos cristãos para tentarem alcançar o céu, praticando a caridade. Sem eles era mais difícil "comprar o bilhete para o céu". :)

De Fernando Lopes a 30.06.2014 às 22:53

Essa questão ultrapassa o meu ponto. Nós, de esquerda, temos a mania que possuímos o monopólio da generosidade. Tal, pura e simplesmente não é verdade. O Papa acha que católicos e comunistas são os grandes defensores dos pobres. Também acho falso. De uma coisa estou certo, o caminho para o céu passa pelo purgatório. 
Image

De aurora a 30.06.2014 às 21:56

Os pobres sempre deram muito jeito à igreja, aos políticos e até aos ricos para praticarem a sua caridadezinha. Que seria da Mercedes Balsemão, da Jonet ou das crianças Espirito Santo quando estão de férias na herdade da Comporta sem os seus pobrezinhos?
Abraço.


De Fernando Lopes a 30.06.2014 às 22:56

Uma sociedade cada vez mais assimétrica cria desconforto a todas as pessoas que respeitam o seu semelhante. Haverá sempre os «vampiros da caridade», mas não acho linear caracterizá-los. Há cada bandalho que se diz de esquerda ...

De bokeh a 30.06.2014 às 23:00

também não acredito em divindades mas não duvido que este papa tem capacidade para convencer muita gente de que elas existem.
ele é sem dúvida cativante e a sua liderança tem-se afirmado porque tem dado provimento a muito do que vindo a ser pedido pelos católicos cristãos e opinião pública em geral.....sendo pragmático, tem prestado o serviço que o consumidor reclamava.
a disputa pelos pobres com os comunistas até pode estar descontextualizada e julgo-a infeliz mas não deixa de ser factual!
p.s.: o destaque nos blogs do sapo é inteiramente merecido

De Fernando Lopes a 30.06.2014 às 23:37

Numa coisa estou inteiramente de acordo contigo, Francisco tem um apuradíssimo sentido de marketing. Provavelmente daí a disputa dos pobres com os comunistas.


P.S. - Obrigado, artista da câmera.

De Odisseia na Internet a 01.07.2014 às 16:07

É um comunista e alguém que tem sede de poder. Não gosto dessa hipocrisia de amor aos pobres, dado que é apenas um mecanismo de poder.

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • JOSÉ RONALDO CASSIANO DE CASTRO

    O Pretinho do Japão é citado, como profeta, em Ram...

  • Anónimo

    Quando a sorte é maniversa nada vale ao desinfeliz...

  • M Manel

    Só agora vi a mensagem anterior - note-se que quem...

  • M Manel

    Uma ajuda... Arranja aí uma base para eu poder de...