Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O drama de criar uma criança honesta.

por Fernando Lopes, 21 Jan 15

Como uma espécie de taxista de carro cinzento, levo e vou buscar todos os dias a minha filha ao colégio. Dia sim, dia sim, como qualquer pai abnegado. Um destes dias ao entrarmos para o carro o raio da miúda encontra uma nota de 20 euros. E que não quero este dinheiro, o dinheiro não é meu, pode fazer falta a um pobre e renhónhó, renhónhó. O estupor da criança tem 9 anos, exactamente a mesma idade em ocasionalmente surripiava uns trocos à avó para gastar em chocolates e revistas de banda desenhada. Expliquei-lhe que o dinheiro não tem nome, que se perguntasse muitos diriam que era seu, que achado não é roubado. Demorou dois dias e argumentação diversa para colocar a massa na sua carteira da ovelha Choné. Tenho a impressão que não vai fazer carreira política.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas:

12 comentários

De Calimero a 22.01.2015 às 09:48


Definitivamente nao me parece :)

Beijinhos e bom resto de dia!!

De Fernando Lopes a 22.01.2015 às 19:08

Bom final e dia, e a propósito, recebi o abraço que enviaste. :)

De Calimero a 23.01.2015 às 11:41

Como se dizia na minha terra "espero que lhe tenha feito bom proveito":) :)

Ate porque são gratis ;)

Beijinhos e um bom fim semana..!!! Sem frio se pudesse ser...:(

De bloga-mos a 22.01.2015 às 12:52

Temo que por esse andar a moçoila não venha a estar munida com as competências necessárias para singrar na vida...

De Fernando Lopes a 22.01.2015 às 19:11

Imaginava-a presidente de uma grande instituição como o Goldman Sachs, UBS ou FMI. Infelizmente demonstra desde tenra idade, incapacidade para a finança. Igualzinha ao pai.

De Ana A. a 22.01.2015 às 13:17

Fernando

Com todo o respeito pela conduta e educação que a M. tem, sem sombra de dúvida, eu não colocaria a palavra "honesta" nesta situação, uma vez que, uma criança que não tenha supridas as suas necessidades básicas, certamente não teria esses "problemas de consciência", ficaria alegremente com o dinheiro e, até quem sabe, o entregaria aos pais para ajudar nas compras da comida...

De Fernando Lopes a 22.01.2015 às 19:13

Claro que sim, mas o princípio da integridade está lá. Não a vai levar a lado nenhum.


Abraço.


P.S. - É bom tê-la de volta.

De Gaffe a 23.01.2015 às 16:22

O meu sobrinhito tem 6 anos. Levantou-se e ofereceu a cadeira onde estava sentado, numa mesa repleta, a uma amiguinha com 7 anos, como se o gesto fosse imprescindível. Nunca lho disseram para o fazer e nunca o ensinaram a comportar-se desta forma. 
Creio, meu querido amigo, que existem comportamentos que são herdados e que não carecem portanto de ensinamentos. 
Parabéns aos pais!      

De Fernando Lopes a 23.01.2015 às 19:11

A minha avó paterna, uma mulher simples, apenas com a 4ª classe tinha uma frase lapidar sobre comportamentos inatos: «O que o berço dá, a tumba o tira». 

De Gaffe a 24.01.2015 às 18:15

Todas as avós são parecidas! A minha diz, talvez de um modo um bocadinho mais mórbido, que se quero realmente conhecer-me ou saber quem sou e porque sou, devo começar por visitar o mausoléu da família.
:)

De SoldadoDesconhecido a 24.01.2015 às 20:58

Se têm mausoléu são gente de bem, concerteza, e de comportamentos irrepreensíveis...

De Gaffe a 25.01.2015 às 16:13

Receio que a vovó goste apenas de metáforas.

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • JOSÉ RONALDO CASSIANO DE CASTRO

    O Pretinho do Japão é citado, como profeta, em Ram...

  • Anónimo

    Quando a sorte é maniversa nada vale ao desinfeliz...

  • M Manel

    Só agora vi a mensagem anterior - note-se que quem...

  • M Manel

    Uma ajuda... Arranja aí uma base para eu poder de...