Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O direito de morrer em paz.

por Fernando Lopes, 23 Ago 14

Leio no Público sobre a associação Dignitas e o suicídio medicamente assistido. Escapa à minha compreensão a polémica que possa existir em torno de alguém com uma doença terminal ou incapacitante seja impedido de decidir o momento da sua morte. Assisti à agonia do cancro ou Parkinson e numa situação idêntica gostava de poder decidir sobre a hora da minha partida. Nascemos porque alguém o escolheu por nós, porque se amou, até por mero acaso.  Uma vez que o direito à existência não foi opção nossa que o seja o direito à morte em situações de sofrimento e degeneração. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas:

7 comentários

De .. a 23.08.2014 às 16:51

Concordo, consigo Fernando! Não pedimos para nascer... De certo modo tenha-se a possibilidade de decidir sobre a morte. E no entanto seria uma grande mentirosa se lhe dissesse que isto é pacífico para mim. Não, é! Um dia fiz um post sobre isto penso que nos blogues que tenho fechados e falei sobre o que me "dói" tudo isto e mais situações. Não devia! Trabalhei toda a minha vida em grandes hospitais. Lidei com a morte de perto. Desci com ela no elevador ao meu lado (infelizmente num de eles os corpos dos falecidos não tinham elevador próprio). Ouvi dores e gritos lancinantes de familiares. Tive de dar notícias infelicíssimas também. Chorei com muita gente que desconhecia. E vi muito, muito sofrimento. Inclusive ouvi pedidos de clemência a médicos com quem trabalhava e que o não podiam fazer por lei. E no entanto isto ainda me magoa tanto e provoca instabilidade que nem imagina! Mas sei no meu íntimo que é o melhor e as pessoas têm esse direito. Mas tal qual como na doação de órgãos... É terrível.  Quando a conversa envereda por aí, só me apetece fugir para não ter de me pronunciar. Porque o meu cérebro acha uma coisa e o coração totalmente díspar. è muito triste tudo isto. Um beijinho Fernando e um bom fsemana. Que tarde imenso todo este tipo de decisões e que não nos seja nunca preciso pronunciar é o que desejo. Seja para nós ou alguém que amamos! Tudo de bom!

De Fernando Lopes a 23.08.2014 às 19:48

Se trabalhou na área da saúde presenciou muito e mais intenso que eu. Tem conhecimento técnico e in vivo do sofrimento que certas doenças causam. Assistiu a pedidos para pôr fim ao sofrimento. Acha legítimo que em nome de uma moral judaico-cristã esse pedido seja negado? 

De Ricardog@mail.telepac.pt a 23.08.2014 às 17:13

... Aplica-se ao direito de viver em paz :) ... Abraços Camarada!!!

De Fernando Lopes a 23.08.2014 às 19:54

Sem dúvida. O título da posta é um trocadilho com uma canção de Victor Jara «El derecho de vivir en paz» de homenagem a Ho-Chi-Minh na altura da fé revolucionária em que os vietcong eram um símbolo da resistência ao imperialismo americano. Parece que foi há 500 anos que, ainda adolescente, acreditava nestas merdas.
Image


De Gaffe a 24.08.2014 às 16:05

Há,para minoriar o dilema, desde Julho de 2014 (embora a Lei seja mais antiga) a possibilidade de efectuarmos a DAV - "Directiva Antecipada de Vontade", que depois de aprovada por um médico devidamente credenciado se transforma em Testamento Vital. É útil e fácil. Basta que o interessado se dirija a uma sede de uma Agrupamento de Centros de Saúde  e solicitar a minuta da DAV, preenchendo-a como considerar conveniente e assinando-a presencialmente, ou enviar o documento com assinatura reconhecida pelo notário. Pode obedecer aos itens sugeridos ou ser um texto livre.
Ajuda imenso e é de certa forma tranquilizador.

De Gaffe a 24.08.2014 às 16:23

A "Diretiva Antecipada de Vontade" depois de transformadas em "Testamento Vital" é assinalada no registo informático do untente e é visível para qualquer médico do SNS ou privado, desde que isso o justifique. Em situações limite, o Testamento Vital guia o médico que obedece às vontades expressas do doente.
A angústia que referes é de certa forma atenuada por este direito.
:)

De Fernando Lopes a 24.08.2014 às 18:11

Este «testamento vital» é substancialmente diferente do direito ao suicídio medicamente assistido, apenas nos dá a opção de não permitir que a vida seja artificialmente prolongada, tratamentos experimentais, não ser submetido a reanimação, etc. É, de facto, um princípio. Já dei com o formulário na internet e vou falar com o meu médico sobre o tema.


Um abraço e muito obrigado pela partilha.

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • M Manel

    Só agora vi a mensagem anterior - note-se que quem...

  • M Manel

    Uma ajuda... Arranja aí uma base para eu poder de...

  • Anónimo

    Não volta?!Vá lá...Escrever faz bem...e ler também...

  • Anónimo

    Que será feito do gerente desta coisa?Filipe em es...