Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O cruise control do meu tempo.

por Fernando Lopes, 26 Jun 15

Falávamos de carros, eu e um rapaz da minha idade (adoro esta expressão porque pode ser usada sem estranheza até aos 90). Naqueles tempos distantes poucos tínhamos carro antes de começar a trabalhar. O meu primeiro veículo foi um Fiat 127 que tinha pertencido ao avô. Obrigou-me a pagá-lo e depois devolveu-me o dinheiro. Troquei-o por um Renault 5 e jurei que nunca mais teria carro daquela marca. Mudei bateria, cabos, alternador. Nada. Bastava chover para se recusar a sair do sítio. A coisa era de tal forma que, em noites em que se antecipava pulviosidade, já o deixava estacionado numa descida para «pegar». Um dos meus maiores alívios foi ter-me despachado da coisa e ter arranjado motorização normal.

 

Entre essas peripécias lembrou-se de uma coisa relativamente vulgar nos anos 80, o cruise control manual. Como os utilitários daquela época não passavam dos 120 à hora, muitos usavam um taco de bilhar sem a ponta, entalavam-no entre o banco e o acelerador, e assim, nas viagens nas poucas auto-estradas da época, se descansavam as pernas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

9 comentários

De G. a 27.06.2015 às 12:09

Tive um Super 5 :) terrivelmente velho e "podre", (o meu 1º carro, pago por mim, obviamente), que algumas saudades me deixou. (e algumas vergonhas, naquela idade :)

De Fernando Lopes a 27.06.2015 às 13:05

É engraçado como ligamos os carros a momentos da nossa vida. A liberdade de movimento que nós dá, marca. 


P.S. - Tenho gostado muito do que tens escrito e seguido em respeitoso silêncio. :)

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • Anónimo

    Quando a sorte é maniversa nada vale ao desinfeliz...

  • M Manel

    Só agora vi a mensagem anterior - note-se que quem...

  • M Manel

    Uma ajuda... Arranja aí uma base para eu poder de...

  • Anónimo

    Não volta?!Vá lá...Escrever faz bem...e ler também...