Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Leituras.

por Fernando Lopes, 22 Mar 14

 

Diário de um monstro e crónica de intrigas de uma sumptuosa corte italiana na Renascença, “O Anão” (1944) é um retrato exemplar da perversidade humana e uma exímia dissecação do mal. Piccolino é um anão na corte de um poderoso príncipe, que, a mando do seu amo ou por vezes, a seu bel-prazer, espia, despreza e tortura os que o cercam. Mas, abandonado pela mãe à nascença e rejeitado pelo mundo devido à sua fealdade, o seu ressentimento e ódio ao ser humano são o reflexo desesperado da sua solidão. É por este emissário acometido de delírios de grandeza que assistimos a conspirações, a traições, à peste que assola a corte e a assassínios. É por ele, também, que vemos o que o protagonista se recusa a ver: a sua deformação moral, e não a física, está na origem do mal que o rodeia, e a sua maldade faz dele uma criatura mesquinha e miserável.

 

 

Um pequeno livro sugerido pelo Carlos, que é um tratado sobre a deformação não física mas moral, sobre o maquiavelismo da mente humana, o totalitarismo, guerra, servidão, tortuosidade, uma antítese da teoria de Rosseau do «bom selvagem».

 

Intemporal porque profundamente revelador de uma certa natureza humana, hoje com maior agudeza que nunca.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas:

6 comentários

De henedina a 22.03.2014 às 20:00

"Ever tried. Ever failed. No matter. Try again. Fail again. Fail better." Samuel Beckett









De Fernando Lopes a 22.03.2014 às 21:31

Tendo a perdoar tudo à excepção da falta de carácter. :)

De henedina a 22.03.2014 às 22:52

Tendo a perdoar tudo, excepto isso e a violencia gratuita.

De Carlos Azevedo a 23.03.2014 às 03:53

Fernando, é um livro excelente. Ainda bem que o apreciaste. Abraço.

De Fernando Lopes a 23.03.2014 às 12:19

Também gostei muito de «O Navio dos Homens», embora datado e um pouco panfletário, compreendo bem porque ganhou segunda vida no Séc. XXI. Bons conselhos, agradecem-se. :)

Abraço.

De Carlos Azevedo a 23.03.2014 às 16:30

Neste mundo imprevisível, nada é datado! :-)
Abraço.

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • JOSÉ RONALDO CASSIANO DE CASTRO

    O Pretinho do Japão é citado, como profeta, em Ram...

  • Anónimo

    Quando a sorte é maniversa nada vale ao desinfeliz...

  • M Manel

    Só agora vi a mensagem anterior - note-se que quem...

  • M Manel

    Uma ajuda... Arranja aí uma base para eu poder de...