Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Honestidade.

por Fernando Lopes, 25 Nov 14

Neste tempo estranho em que tudo e todos são alvo de suspeição, em que a já reduzida confiança nas instituições, empresas, homens públicos, é abalada todos os dias, um pequeno acto de honestidade pode parecer algo singular e simultaneamente espantoso, devolvendo por um momento fé na espécie humana.

 

A estória conta-se em duas penadas. O comando da garagem vinha manifestando desobediência ocasional ao seu portador, este vosso criado. Como em qualquer situação idêntica e dada a multiplicidade de tipos de pilhas existentes – não estou certo que tal não seja propositado para nos confundir – dirigi-me a uma daquelas lojas de chaves, comandos e afins. Sou atendido por um jovem barbudo e aloirado com pronúncia brasileira e explico o problema. Abre cuidadosamente o aparelho, retira a pilha, mede-lhe a corrente e sentencia:

 

- A pilha está nova, está tudo a funcionar, provavelmente o comando deu um queda que deslocou a pilha ou algum contacto. Verifiquei, limpei, está tudo bem, pode levar, não lhe vou cobrar 2,5 euros por uma pilha nova quando esta está com 80% da carga.

 

Agradeci e vim dali a pensar como tudo seria tão mais simples se as nossas relações, comerciais ou outras, sofressem, como este jovem rapaz, do «síndrome da honestidade».

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas:

7 comentários

De Calimero a 25.11.2014 às 09:39


Infelizmente são raros os casos que sofrem desse "sindrome"..e se as pessoas soubessem os efeitos secundarios e a sintomalogia sao so coisas boas as vezes devolvidas apenas num sorriso, num obrigada, num bom dia.

E isso.!

Ja agora bom dia para ti :)

De Fernando Lopes a 25.11.2014 às 12:22

Nestes pequenos serviços, esta frontalidade é uma excepção. Das agradáveis.


Bom resto de dia.

De bloga-mos a 25.11.2014 às 11:52

Inversamente ontem mediei a compra de dois pacotes de erva entre um casal de alemães e o empresário cabo-verdiano que não entende peva de merdas estrangeiras. Acharam caro e o moço sussurra "que se fodam e paguem a crise"...

De Fernando Lopes a 25.11.2014 às 12:48

Era necessário informar os boches que segundo os preceitos Merkelianos, "estão a consumir erva acima das suas possibilidades". Inflação, taxas de serviço, fluência em inglês, por isso os preços upa-upa.

De bloga-mos a 25.11.2014 às 17:20

Ainda por cima eram ambos licenciados...

De :P a 02.12.2014 às 20:46

  Ao outro como a ti mesmo?

De Fernando Lopes a 02.12.2014 às 21:09

Um princípio que se aplicado, mudava muita coisa. Muita mesmo.

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • Anónimo

    Quando a sorte é maniversa nada vale ao desinfeliz...

  • M Manel

    Só agora vi a mensagem anterior - note-se que quem...

  • M Manel

    Uma ajuda... Arranja aí uma base para eu poder de...

  • Anónimo

    Não volta?!Vá lá...Escrever faz bem...e ler também...