Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Heterodoxias.

por Fernando Lopes, 17 Mar 14

Ao ler a crónica de José Manuel Pureza, com que concordo em grande parte, gostaria que a questão fosse colocada de modo mais abrangente. “Há quem ainda o faça à bruta - as 14.700 queixas de violência doméstica apresentadas à polícia só no primeiro semestre do ano passado atestam-no bem.” Nesta guerra, como em todas aliás, é este maniqueísmo assusta. Um homem que é vítima de violência física e principalmente psíquica por parte da companheira raramente apresenta queixa, e no entanto muitos são vítimas de constante pressão psicológica, desvalorização, achincalhamento, numa base diária, não há é estatísticas que o comprovem.

 

Não sei bem em que planeta vive JMP, mas existem muitos homens que se dedicam à paternidade em full-time sem que isso os diminua ou estigmatize. É uma opção, respeitável como qualquer outra. Embora subsistam desigualdades – a questão de salários p. ex. – notam-se claramente mais mulheres em cargos de chefia, governação, na sociedade em geral.

 

O lugar das mulheres – e dos homens – é onde se sentirem felizes, completos como seres humanos; se isso é em casa ou à frente de uma multinacional é-me completamente indiferente.

 

Antes da identificação de género, há um grupo mais abrangente a que todos pertencemos – a humanidade. Um homem declarar-se feminista é perfeitamente legítimo, eu cá prefiro proclamar-me humanista. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas:

10 comentários

De golimix a 19.03.2014 às 06:42

Existem, de facto, cada vez mais mulheres em cargos de chefia, mas o certo é que não recebem o mesmo como se fosse um homem que lá estivesse. É o que me parece. A verdade é que parece que os homens estão a ficar para trás...

Não sou feminista. Também prefiro dizer "humanista". Já vi homens a ser agredidos, um fisicamente e alguns psicologicamente. Mas aqui para o norte prevalece o contrário. Ainda há muitas mulheres agredidas. Mais do que se pensa.

De Fernando Lopes a 19.03.2014 às 11:53

Não é uma questão local, nem sequer de uma determinada classe social. E é óbvio que é altamente condenável.

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback