Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Drama ao jantar.

por Fernando Lopes, 28 Mai 14

Cá em casa cada jantar transformou-se um drama. À séria, com refilice, birras, gritinhos e tudo. A mulher queixa-se, a filha embirra com a comida. O que deveria ser um momento tranquilo passou a ser um longo confronto diário, tudo porque as crianças hoje são demasiado ouvidas.

- O que é que querem jantar, inicia as hostilidades.

Quando era miúdo era bem mais simples; não havia escolha. O que fosse decidido pelos adultos estava bem. Hoje não, é preciso forçar «amplos consensos» para decidir a papa. Suponho que assim será em muitas casas, mas fico possesso. Nada funciona se não houver alguma hierarquia, organização. Este psicodrama é pateta, muita gente não tem sequer o que comer, estamos a dar demasiada importância às crianças, aos seus gostos e opções. Ouvi muitas vezes «a tua opinião não conta, és o mais novo logo o último a falar». Hoje vivemos numa ditadura infantil. Talvez esteja a ficar velho, mas tenho saudades do tempo em que os adultos decidiam e as crianças obedeciam. Sem manobras de alta política para agradar a todos. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

14 comentários

De DyDa/Flordeliz a 29.05.2014 às 01:41

No restaurante sempre chegamos a acordo nos pedidos.
Já à mesa da cozinha/sala de jantar, mando eu.
Não se aceitam reclamações. O que vai para a mesa é comestível, portanto é para comer.
Um dia gosta-se mais, outro menos. No fim da semana já ninguém se recorda.

Sabe a cozinheira sou eu. Detesto batatas cozidas com bacalhau. Há quem adore. Acha que não vão à mesa apenas porque não gosto? Acredita que faço um prato para mim? Podia! Nunca o fiz.
Portanto: A hora da refeição é um ato social muito mais importante que virar uma manifestação gostos e paladares.

Nunca perguntei: O que querem jantar?
Mas já solicitei. O que devo fazer hoje para o jantar? - às vezes escasseiam as ideias e dá jeito uma sugestão.
Eu sou assim: muito mãe.
Detesto ir para a cozinha. Depois de lá estar, cozinho com e por amor a quem está presente.
- Dizem que se nota no que vai à mesa.

Boa sorte.




De Fernando Lopes a 29.05.2014 às 07:58

De onde se prova que a democracia nem sempre é o melhor método de organização da família. :)

De DyDa/Flordeliz a 29.05.2014 às 09:46

Democracia? Ah ah boa!
Pelo meu comentário até parecia um comandante em tempo de guerra. ;-)
Pronto sou democratica: eu trabalho, eles comem.
BFDS

De Ana A. a 29.05.2014 às 17:24

Aproveite o presente, porque há-de vir o dia (neste caso a noite) em que sentirá uma imensa saudade...

(Sugestão: encarregue a sua filhota de escolher os menús dos jantares. :)

De Fernando Lopes a 29.05.2014 às 18:58

O quê? E comer massa com frango TODOS os dias?

De HORIZONTE XXI a 29.05.2014 às 18:15

Boas
É que nós páis modernos, cedemos o espaço de liberdade mas esquecemos o compromisso e a responsabilidade factores essenciais para não ser necessário hierarquia e/ou imposição.
Aproveitando a sugestão da ANA construa um consenso que inclua compromisso e responsabilidade.

Abraço livre

De Fernando Lopes a 29.05.2014 às 19:02

Sabes, é mais fácil de dizer que fazer. Os miúdos têm fixação por certas comidas e detestam outras. Cabe-me a mim enquanto pai «obrigá-la» a uma dieta saudável. É demasiado nova para ter essa consciência.

De O Abominável Careca a 29.05.2014 às 20:27

Boas,

Em plena preparação de mais um jantar, se há culpados pelo "mau" ambiente à mesa esses somos nós pais e o resto e texto para psiquiatras infantis poderem dissertar livremente sobre o tema.
E já agora quando éramos petizes alguém nos perguntava se desejávamos frito, assado ou cozido?!

Boa refeição e paz à mesa são os meus singelos desejos...

De Fernando Lopes a 29.05.2014 às 21:38

mea culpa mea maxima culpa

De Sandra a 06.06.2014 às 16:28

Hoje encontrei o seu blog pela primeira vez, e pela primeira vez comento. Já bem tarde, mas aqui vai:
O meu filho tem 3 anos. Enjoou a sopa aos 7 meses. Ordem do pediatra para fazer puré de batata e dar com carne ou peixe picados. Toca a inventar purés e receitas de carne e peixe para picar... Conclusão: preferiu voltar a comer a sopa!! Não consigo que ele coma nada diferente. As únicas coisas que ele come é sopa, carne de vitela com massa e douradinhos de salmão no forno com esparguete cozido... Para tentar comidas diferentes estamos desde as sete da tarde até às onze da noite à mesa... e ele não come!! Ideias??

De Fernando Lopes a 06.06.2014 às 18:49

Sou pai de uma filha só, paternidade tardia, não estou pois habilitado a dar conselhos. Com 3 anos tentava explicar-lhe que tem de comer alimentos diversos para crescer saudável e não deve ter medo de experimentar sabores diferentes. Caso a abordagem «pedagógica» falhe, tenho uma palavra: fome. Não comer durante umas horas não o vai matar e repetir o prato até que ele tente é a táctica possível. Pode ficar tranquila que vai
custar-lhe mais a si do que a ele.

De Sandra a 09.06.2014 às 09:50

Obrigado pela sua resposta!! Também tenho uma maternidade tardia, mas é frustrante, porque com os meus sobrinhos as minhas "estratégias" resultavam e eles acabavam por experimentar e provar quase tudo!! E agora com o meu filho não consigo que nenhuma funcione! É frustrante... Ainda não experimentei essa da fome, tenho de tentar! Obrigado pela dica!!

De Fernando Lopes a 09.06.2014 às 18:48

De Sandra a 12.06.2014 às 10:40

Já fui espreitar. Têm ideias boas!! Vou experimentar! Obrigado.

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback