Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dia 5 – Estrada Fora.

por Fernando Lopes, 15 Jul 15

estrada fora.jpgA bordo da pick-up vermelha

 

Longe de mim dar uma de Kerouac, até porque a ilha apenas tem uma estrada alcatroada. Existem mais duas ou três de paralelos em bastante mau estado, mas para conhecer os locais emblemáticos é necessário andar sobretudo por caminhos em terra batida e alguns troços nem o epíteto de caminhos merecem, são apenas sulcos da passagem diária de veículos todo-terreno. O único meio de se deslocar é em veículos 4x4. Aqui, como no Sal, são usadas sobretudo pick-ups, com a caixa aberta transformada com duas filas de bancos frente-a-frente. Os mais aventureiros têm a possibilidade de andar de moto 4, e aviso já que alguns percursos têm dificuldade elevada para principiantes.

 

 

Segundo me informaram, a única tradição da Boa Vista é a olaria, e em Rabil existe uma pequena escola onde podemos ver e comprar artesanato típico. O acordado foi um percurso de 5 horas, pela módica quantia de 80 euros, o que dividido por 5 é uma quantia bastante mais em conta que as propostas tradicionais dos operadores turísticos.

Aconselha-se levar água e a tomar banho em protector solar, pois mesmo eu, de tez árabe, não teria escapado a um gigantesco escaldão depois de 5 horas ao sol e solavancos na carrinha de caixa aberta.

 

Às 9 já o Sami estava à nossa espera. Um jovem de 29 anos, como a maioria da população da ilha. Toda a Boa Vista está pejada de juventude, uma agradável variante para quem sai de um país e continente envelhecidos.

 

Fugimos à enchente da olaria e vamos directos ao deserto de Viana. É um deserto de areia fina, batida pelo vento, fixado por paredes de pedra e umas redes colocadas para reter as areias que pairam no ar e que são também trazidas pelos ventos do continente. Não é muito diferente do deserto de areia que conheci em Marrocos ou Tunísia, apenas bastante mais pequeno.

 

Sammy.jpgO nosso condutor e guia Sami

 

1 Deserto de Viana 2.jpgUm arbusto resiste no Deserto de Viana

2 Deserto de Viana.jpgVista de uma das dunas

 

Daí seguimos para a praia de Santa Mónica, que o improvisado guia diz ter mais de 18 kms. Certo é que é praia tanto quanto a vista alcança sem uma única construção. A paisagem permanece intocada porque, por graça de Deus, não existe um caminho aceitável que permita transportar materiais. Face ao areal imenso e águas quentes, azul-turquesa, temo que não permaneça com o seu encanto virgem durante muitos anos.

 

3 praia de santa monica.jpgPraia de Santa Maria, areal intocado de 18 km de extensão

 

Por caminhos em que até as cabras têm dificuldade em andar, seguimos para a praia da Varandinha, onde avisto um magnífico corvo que se diverte a sobrevoar as dunas e rochas. Diz-me o Sami que aqui é local para quem gosta de surf e indica uma gruta, a Buracona. Apesar do apelativo do nome, é apenas rocha esculpida pelo mar. Lá repousava um tronco de uma árvore, numa posição fetal, quase humana.

 

4 praia da varandinha.jpgPraia da Varandinha

5 buracona.jpgGruta da Buracona

zona de desova.jpgCuidado com as tartarugas

 

Com os rins feitos num oito e o rabo quadrado, vamos por um caminho de pedras até à Povoação Velha. Uma pequena aldeia familiar, com casas bem cuidadas, e onde consta, habitam os boavistenses mais abastados. Não faltam um Centro de Juventude e uma Igreja. Antiga capital, distingue-se das restantes pelo esmero de ruas e habitações.

 

centro de juventude da povoacao velha.jpgCentro de Juventude (Povoação Velha)

igreja do nazareno.jpgIgreja na Povoação Velha
 encruzilhada.jpgEncruzilhada

 

De seguida, e evitando as hordas de turistas, deslocámo-nos até à oficina de olaria. Uma vez que somos os únicos visitantes, temos tempo de trocar conversa e até discutir futebol. Maioria benfiquista, mas encontramos um portista que nos recorda o jogador Rolando, do F.C. do Porto, também ele cabo-verdiano.

 

escola de olaria.jpgEscola de olaria e as tartarugas símbolo da ilha

 

vista de rabil.jpgVista de Rabil

 

Para terminar fomos ver um dos ícones da Boa Vista na Praia Cabo de Santa Maria, o famoso barco encalhado em 1 de Setembro de 1968.  O barco carregava valiosa carga como carros, armas, máquinas e produtos de saúde. Durante um ano retiraram tudo o que era possível do navio, ficando este como testemunho do tempo e inclemência da natureza.

Curiosamente, a praia deve o seu nome ao barco, já que antes se chamava praia da Boa Esperança.

 

passagem do tempo.jpgA degradação do Cabo de santa maria entre 1968 e 2009

 

barco.jpgO que resta em 2015

 

Regressamos por entre cabras e burros, certos que haverá outras visões possíveis da Boa Vista. Cada olho vê da sua maneira, cada coração sente a seu modo, este é tão-somente o meu.

 

cabras.jpgAs sempre presentes cabras

burros.jpgUm macho tentou a sua oportunidade. A fêmea não estava para aí disposta, o desgraçado levou um coiçe que até a mim doeu

 

 

Scan0025.jpgCartões do Zé Silva e Sami, ao cuidado de eventuais interessados

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

2 comentários

De bokeh a 15.07.2015 às 22:30

estou quase a desistir das férias no alentejo e a comprar bilhete para cabo-verde
boas férias

De Fernando Lopes a 15.07.2015 às 23:04

Cada região tem os seus encantos, mas para um fotógrafo como tu, deve estar perto do paraíso. Não tenho lata para pedir às pessoas para as fotografar, mas alguns rostos são por si uma «estória». 

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback