Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dava o mundo por um olhar assim.

por Fernando Lopes, 7 Set 17

Quando almoço mais rapidamente – afinal são só couves e carne ou peixe – dou um pequeno passeio a pé. Junto à churrasqueira da rotunda da Boavista está sempre um sem-abrigo e os seus cães. Talvez os cães sejam o seu diploma de humanidade, a sua companhia, um modo de comover os transeuntes. Não sei, nem interessa. Importa o carinho com que os trata – uma mantinha no chão, dois ou três brinquedos para a bicharada. Contrariamente ao habitual, desta vez foquei-me nos bichos. Olhavam para o homem, e os seus olhos transmitiam amor. Não era só amor, era um amor incondicional, inquestionável, quase asfixiante. Nunca senti sobre mim, de bicho ou humano, um olhar igual. É estúpido, bem sei, mas tive inveja daquele homem. Dava o mundo por um olhar assim, para que alguém me transmitisse tal enlevo nem que por um segundo fosse.

 

P.S. - Não, não desejo que alguém olhe para mim caninamente, apenas que exprimisse com os olhos amor de tal modo puro e sem filtro como o faziam os bichos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

26 comentários

De Fernando Lopes a 07.09.2017 às 23:28

Não sei se estás familiarizada com a minha peculiar infância, mas o facto de ter sido entregue aos avós deixou em mim um permanente sentimento de enjeitado. Adoro os avós estejam eles onde estiverem, mas ficou sempre a marca e a necessidade de amor. Escrevo para que gostem de mim, muito do que que faço é para provar a mim mesmo que mereço ser amado. Pode parecer estranho mas é assim mesmo. 

De alexandra g. a 07.09.2017 às 23:44

Sei, meu amor (a um padrinho pode chamar-se amor e o Filipe sabe, que também o és, para ele, e repara que não estou a contornar o facto de seres, para mim, um amor, pois que cheguei a ele através e ti, como bem sabes), eu sei. 


Eu sei. Eu também imagino, querido Fernando, mas, por incrível que possa parecer, contigo e a tua história pessoal, a imaginação não vale nada, vale a leitura, o mergulho no éter que já foste - não és, agora já te conheço :) - e o que tenho a dizer-te é que esta alexandra é uma  amiga para a vida, mas creio que me repito, de novo. Estarei a ficar cota? :D


Abraço com beijo na boca :)

De Fernando Lopes a 08.09.2017 às 00:01

Talvez de quando em vez seja excessivamente confessional, mas é uma catarse que me é necessária. Tal como esta necessidade quase patológica de ser intensamente amado. . 
______________
By the way, vocês deram-me muito mais do que  eu merecia. E essa é uma bela forma de amar.


Beijo

De alexandra g. a 08.09.2017 às 00:09

Nada de 'excessivamente', mas tudo & quando necessário, catarse, comme il faut!
 
E nunca mais repitas isso de te termos dado blablabla, que a casa está à tua espera, amor (em nome dos dois :)**


____
Tens muitas qualidades, mas esta é fabulosa: és uma companhia do caralho, rara :)

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • Anónimo

    Quando a sorte é maniversa nada vale ao desinfeliz...

  • M Manel

    Só agora vi a mensagem anterior - note-se que quem...

  • M Manel

    Uma ajuda... Arranja aí uma base para eu poder de...

  • Anónimo

    Não volta?!Vá lá...Escrever faz bem...e ler também...