Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Corredor de fundo afectivo.

por Fernando Lopes, 9 Mar 15

Nunca fui grande conquistador. Tive a minha dose de namoraditas de adolescência, relações de toca-e-foge, beijos e amassos aqui e acolá. Namoradas a sério tive três: uma muito jovem, quando era caloiro na faculdade, numa relação que durou talvez um ano, um longo namoro de nove anos e a mulher com quem casei há mais de vinte. Sou essencialmente um corredor de fundo afectivo, embora às vezes tenha uma pontinha de inveja dos sprinters.

 

Com o avançar da idade questionamo-nos sobre tudo, e o velho cérebro cansado recebe flashes de informação passada. Estava a ler, mais uma noite insone, e um parágrafo recorda-me dos gestos mais eróticos que já tive. Nada particularmente hollywoodesco, coisas simples, a demonstrar quão fraco Casanova está por detrás destas linhas. Num momento recordei: acender dois cigarros e colocar um deles na boca da mulher amada, uma festa ligeira na face e um olhar despojado de tudo. Um segundo que foi (é) uma eternidade. O outro, desejar ardentemente uma mulher, mas porque comprometido, beijá-la na testa como que num pedido de desculpas, tocar-lhe com o indicador na ponta do nariz e virar costas. Miraculosamente, ainda hoje estamos juntos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

8 comentários

De Alice Alfazema a 09.03.2015 às 22:17

Image

De Fernando Lopes a 09.03.2015 às 22:31

Nada disso, um tipo normal. Tive a minha dose de turbulência até aos 19, a partir daí fui sempre o que os ingleses definem como «confiável». Já fui alertado por amigos que expunha muito da minha vida privada aqui no blogue. Na verdade, só conto uma parte ínfima da intimidade.
Image

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback