Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Corredor de fundo afectivo.

por Fernando Lopes, 9 Mar 15

Nunca fui grande conquistador. Tive a minha dose de namoraditas de adolescência, relações de toca-e-foge, beijos e amassos aqui e acolá. Namoradas a sério tive três: uma muito jovem, quando era caloiro na faculdade, numa relação que durou talvez um ano, um longo namoro de nove anos e a mulher com quem casei há mais de vinte. Sou essencialmente um corredor de fundo afectivo, embora às vezes tenha uma pontinha de inveja dos sprinters.

 

Com o avançar da idade questionamo-nos sobre tudo, e o velho cérebro cansado recebe flashes de informação passada. Estava a ler, mais uma noite insone, e um parágrafo recorda-me dos gestos mais eróticos que já tive. Nada particularmente hollywoodesco, coisas simples, a demonstrar quão fraco Casanova está por detrás destas linhas. Num momento recordei: acender dois cigarros e colocar um deles na boca da mulher amada, uma festa ligeira na face e um olhar despojado de tudo. Um segundo que foi (é) uma eternidade. O outro, desejar ardentemente uma mulher, mas porque comprometido, beijá-la na testa como que num pedido de desculpas, tocar-lhe com o indicador na ponta do nariz e virar costas. Miraculosamente, ainda hoje estamos juntos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

8 comentários

De golimix a 09.03.2015 às 21:23

Devias ser fresco, devias... Image

De Fernando Lopes a 09.03.2015 às 21:53

Moi? 
Image

De Alice Alfazema a 09.03.2015 às 22:17

Image

De Fernando Lopes a 09.03.2015 às 22:31

Nada disso, um tipo normal. Tive a minha dose de turbulência até aos 19, a partir daí fui sempre o que os ingleses definem como «confiável». Já fui alertado por amigos que expunha muito da minha vida privada aqui no blogue. Na verdade, só conto uma parte ínfima da intimidade.
Image

De bloga-mos a 10.03.2015 às 09:26

Recomendaria a esses amigos arranjarem uma vida, Nando...

De Fernando Lopes a 10.03.2015 às 11:25

Não é por mal, mas faz lembrar aqueles país que dão pancada aos filhos e dizem "é para teu bem".

De .. a 11.03.2015 às 19:18

Olá, Fernando! Tinha dito que me iria reservar a não comentar, mas em primeiríssimo lugar PARABÉNS pelo destaque/recorte e por amar flores! Mesmo que incomode os homens de "barba rija" que apelidam de "panascas" os outros que sabem ser belíssimos seres humanos, não desperdício de espaço e ar. Enfim... Depois, desculpe, estive para me atrever a escrever-lhe um email, mas mal cheguei aqui e vi esta da "exposição no blog" e sendo, eu uma "gaiata" que não me exponho nada... Image vinha saber se por acaso hoje o Fernando resolveu dar bombons a quem visitasse o meu blog? Se chegam ainda para mim?! Agradecer as visitas redireccionadas do seu, que já são mais que muitas hoje! Como já espero tudo... Queria saber se há mesmo direito a chocolates. Ou balões!
Por outro lado, como todos os ataques, baixezas e coisas estapafúrdicas que se fazem nesta plataforma, há quem tenha a certeza que serei eu que os faço (dizia uma coisa, mas respeito-o demasiado a si e ao seu blog) penso se por acaso não pensarão que a dos "panascas" é "minha." Por acaso detesto a palavra, que na melhor das hipóteses me recorda panados, e eu gosto tanto deles. Dos panados! Mas também sou pelos "panascas!!!" Portanto, totalmente a desfavor de bestas quadradas, por isso dá no mesmo! Não sei se é do Porto clube mas deve ser e redobrados parabéns. E pronto, desculpe o comentário que mais valia não ter sido feito mas famas sem proveito não me assentam bem no estômago! Um resto de boa semana e tudo de muito bom hoje e sempre para a família e o meu amigo e cilindre-os com uma flor ou com um pedregulho... Também serve para alguns! Assenta-lhes como uma flor! Beijinho se me permite e se quiser apagar o meu comentário tem toda a fundamentação para tal e bem haja mais uma vez pela sua amizade.

De Fernando Lopes a 11.03.2015 às 19:37

Quando um comentário desce ao nível do esgoto, apaga-se. Foi o que fiz. Só vi o comentário agora, e nem tinha reparado no destaque do Sapo. Fui ver as visitas ... ena tantas! :) Faz-me lembrar uma velha estória que vivi no Porto Santo. As senhoras do turismo recomendaram-nos um bar num sítio muito remoto. Quando chegámos lá era muito bonito, um oásis no meio da terra seca, com lagos, peixes, aves e flores. Perguntámos porque é que não fazia publicidade: Não quero cá muita gente, vêm e estragam tudo, irritam os animais, partem as plantas. Quero pouca confusão. Isto sintetiza o que penso sobre o meu pequeno blogue. 

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • JOSÉ RONALDO CASSIANO DE CASTRO

    O Pretinho do Japão é citado, como profeta, em Ram...

  • Anónimo

    Quando a sorte é maniversa nada vale ao desinfeliz...

  • M Manel

    Só agora vi a mensagem anterior - note-se que quem...

  • M Manel

    Uma ajuda... Arranja aí uma base para eu poder de...