Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Avô.

por Fernando Lopes, 17 Jun 15

diciionario.jpg

 

A breve troca de estórias familiares com a Gaffe e a  admiração que expressei pelo percurso sofrido e feito a pulso do avô trouxe-me à memória factos que julgava adormecidos. Recordo uma visita à secção em que trabalhava e onde, no dealbar dos anos 70, todos os relatórios eram escritos à mão. Vejo-o de colete e manguitos, como um copista, a redigir lentamente e com precisão. Relembro as suas amadas canetas de tinta permanente, instrumento de ganha-pão, que inadvertidamente foram com ele para a cova e hoje repousam juntamente com os seus restos mortais no ossário.

 

Uma infância de rigores marcou-o para sempre. Era um homem discreto que usava o dinheiro com parcimónia. Excepto um ou outro carrinho, os seus presentes eram sempre baseados na utilidade. Foi assim que aos 9 anos me ofereceu um dicionário de Inglês-Português. Como qualquer criança de tão tenra idade manifestei desilusão, procurou aliviá-la com a dedicatória acima. Era assim o avô.

Autoria e outros dados (tags, etc)

4 comentários

De Gaffe a 17.06.2015 às 21:11

A caligrafia do avô é como o desenho de uma viagem!

(Comoveu-me!)

De Fernando Lopes a 17.06.2015 às 21:21

É belíssima de facto, do tempo em que escrever era por si só uma forma básica de expressão plástica.

De Maria Alfacinha a 17.06.2015 às 23:09

Adoro avós... :-) O meu também tinha uma belíssima letra...

De Fernando Lopes a 17.06.2015 às 23:34

Há qualidade intrínseca aos avós: involuntariamente, mantém-nos prisioneiros da infância. :)

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • Anónimo

    Não volta?!Vá lá...Escrever faz bem...e ler também...

  • Anónimo

    Que será feito do gerente desta coisa?Filipe em es...

  • Henedina

    Bom ano Fernando. Beijinho

  • Alice Alfazema

    Olá Fernando!Passei para te desejar um Feliz Natal...