Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Artur.

por Fernando Lopes, 15 Set 16

Mal abrem a porta entra-me pelas narinas aquele odor característico dos lares, uma mistura indefinível de urina, lixívia, e desinfectante perfumado. Um velho caminha sem rumo apoiado por duas bengalas. Pelo corredor circulam as auxiliares, bata rosa, as enfermeiras de branco vestidas, pobre imitação de querubim. Ao fundo do corredor a enfermaria, de onde uns irão sair recuperados, outros para os tratos de um qualquer gato pingado. Desço o elevador para a sala de convívio e refeitório. É hora de almoço, apenas dois resistentes no sofá a olhar hipnotizados para o ecrã da televisão. Na sala de refeições a comida tem o aspecto de papa. Sei que assim é porque a maioria dos comensais há muito perdeu os dentes ou mais não tem que uma placa que obstinadamente lhes dança na boca como se tivesse vida e vontade própria. Muitos têm uns enormes babetes plásticos, como se fossem crianças ou estivessem numa qualquer festa da lagosta.

 

A vida num lar é como jogar à roleta russa sem arma.

 

A um canto uma senhora numa cadeira de rodas. Muito encolhida e enrugada, já pouco maior é que uma criança de seis ou sete anos. Sobre o colo um xaile rosa, talvez ainda feito à mão, talvez uma peça barata comprada nos chineses. A cabeça tomba-lhe sobre a esquerda enquanto murmura qualquer coisa incompreensível. Depois desata a gritar:

 

- Ó Artur, Artur! Ó Artur.

 

Faz isto uma meia-dúzia de vezes, pára e logo recomeça. Alguém me conta que chama pelo marido, morto há mais de vinte anos. Assim que recomeça a gritar alguém lhe diz:

 

- Estou aqui, está sossegada.

 

Sorri tranquilizada, e de um modo só seu, regressa aos braços de Artur.  

Autoria e outros dados (tags, etc)

31 comentários

De Fernando Lopes a 15.09.2016 às 20:13

Não tenho duvidas que trabalhar com idosos é um acto de amor comparável ao de cuidar de crianças, talvez mais até, porque mais difícil.


____________________________
O Filipe é autor do Bloga-mos, temporariamente suspenso por vicissitudes várias. 

De alexandra g. a 15.09.2016 às 20:19

penso que sim, que é um acto de amor e dignificação comparável ao de cuidar de infantes, como dizes :)
________
vou espreitar as cenas do Filipe e... gracias :D

De Lucília a 16.09.2016 às 22:22

Olá Fernando, ao fim do dia caminho com duas amigas.Aquilo é terapia pura blá blá blá blá cada uma a descarregar o fardo do dia como pode.Eu, nem digo o que faço que é uma vergonha...outra trabalha com crianças e delicia-nos com o que sai daquelas mentes sem ainda, felizmente, refreio , quando a que trabalho num lar começa a falar nós mandamo-la calar.Ela diz que nós falamos do nosso trabalho e nós -ok, mas cala-te.Somo más nós.
Fernando, nada a ver nadinha a ver.
Além do defeito de fabrico grave de não convivermos bem com a morte temos este grave "dos ultimos dias"


De alexandra g. a 16.09.2016 às 23:48

mas, Lucília, quem nos garante que "os últimos dias" não acontecerão dentro de dez minutos, 1 dia, 1 semana?

De Fernando Lopes a 17.09.2016 às 10:29

Temos medo da morte e de tudo o que é desconhecido. Eu tenho. Mas tento que não me tolha. Sei bem que a maior parte dos velhos problemáticos está drogada, até para descanso de quem deles cuida. Não devia ser assim, mas é. 

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • M Manel

    Só agora vi a mensagem anterior - note-se que quem...

  • M Manel

    Uma ajuda... Arranja aí uma base para eu poder de...

  • Anónimo

    Não volta?!Vá lá...Escrever faz bem...e ler também...

  • Anónimo

    Que será feito do gerente desta coisa?Filipe em es...