Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ainda o fogo.

por Fernando Lopes, 21 Jan 17

Talvez os meus melhor anos tenham passado, contudo, não os quero de volta. Nada é como dantes, e, no entanto, algo em mim permanece intocado, rude, selvagem, como se de um rapazinho se tratasse. De uma maneira só minha, nunca envelheci. Sou capaz de chorar como um bebé, dançar como um louco, rir como um parvo, apaixonar-me como um adolescente. Deve ser a isso que chamam «estar vivo».

Autoria e outros dados (tags, etc)

16 comentários

De M a 22.01.2017 às 00:08

É isto! Isto, mesmo. Tal e qual. Bem haja por o ter escrito de uma forma tão perfeita, e tocante. Não lhe falta nenhum ingrediente. Está tudo, aí. Por estes bocadinhos de prazer, sensibilidade e sabedoria ("reduzidos" a texto) que talvez os anos tragam, vale a pena continuar por aqui. Obrigada!

De Fernando Lopes a 22.01.2017 às 10:03

Eu é que lhe agradeço. Por ler. Por se manifestar. Por tudo.

De alexandra g. a 22.01.2017 às 01:08

ouais, c'est tout!:
:D

De Fernando Lopes a 22.01.2017 às 10:06

Je vous remercie. ;)

De Anónimo a 22.01.2017 às 15:34

É por essas e outras que às vezes o espelho é difícil, por dentro, somos ainda tão novos:) Será que ninguém repara nisso?
~CC~

De Fernando Lopes a 22.01.2017 às 17:04

No meu PREC (Processo de Renovação Em Curso) aprendi coisas importantes: marimbar-se para o que os outros pensam, fazer a minha cena. Preocupa-mo-nos demasiado com os outros, com o espelho, com um monte de coisas que não interessam. 

De Anónimo a 23.01.2017 às 10:30

Essa do PREC é boa, vou roubar para mim, agora que as minhas células desataram a suicidar-se, vou antes pensar que elas não estão mais que a renovar-se. 
~CC~

De Fernando Lopes a 23.01.2017 às 16:28

E não é que estão mesmo?

De Anónimo a 22.01.2017 às 16:42

Amo-te, Padrinho querido.
Filipe

De Fernando Lopes a 22.01.2017 às 17:04

Eu também te amo, afilhado. 

De pimentaeouro a 22.01.2017 às 19:50

Viver assim não é para todos. Parabéns.

De Fernando Lopes a 22.01.2017 às 20:21

Viver, é por si um acto de resistência. 
Obrigado e um abraço.

De lucilia a 22.01.2017 às 20:53

"..os melhores anos tenham passado». Não penso assim, nunca concordo com este pensamento -aqui, agora, futuro, saúde, usufruir do crescimento a que me propus de uma forma mais ou menos consciente. Gosto tanto do agora -o melhor para mim é o agora. Beijinho Fernando..

De Fernando Lopes a 22.01.2017 às 21:35

Ganham-se algumas coisas, perdem-se outras. Não sou saudosista, mas a juventude é um mundo aberto de possibilidades. O agora, também é bom de ser vivido.

De soliplass a 23.01.2017 às 23:02

«no entanto, algo em mim permanece intocado, rude, selvagem, como se de um rapazinho se tratasse» ... e daqui a trinta anos tás na mesma.


Por falar nisso, gente rude e selvagem, ofereci há duas semanas ao meu melhor amigo como presente de natal (atrasado), uma bicicleta de corrida novinha em folha. Professor, os corruptos deste país privaram-no de parte considerável do ordenado mensal. Não lo-hão de trazer (no que eu puder evitar) privado de certos brinquedos e especialmente de quem nele reconheça homem honrado e de bem. O meu lado de desobediente... A coisa teve uns laivos de egoísmo. Aquele tipo, que é rijo aos quase 56, é também indivíduo de uma frescura de ideias e de uma elegância de modos irrepreensível. Na primeira corrida a experimentarmos as máquinas, apanhámos velhota que ambos conhecemos e estimamos, na rua da aldeia, fazendo o caminho para casa apoiada no andarilho... ladeámo-la. E a brincadeira começou:
 - Ó ti Maria, olhe a sua sorte! Há quantos anos não tinha assim dois rapazes novos de roda de si? E em "ciroilas"! - a expressão cá do Ribatejo para ceroulas. A pobre mulher desfazia-se em gargalhadas, cobriu-nos de beijos. E jurava a pés juntos que passados (ambos) dos cinquenta somos mais novos que muitos novos.
Um namoro e uma risota que só visto...


Acho que, como tu, eu e aquele só temos piorado no «estar vivos».

De Fernando Lopes a 24.01.2017 às 00:29

Passados 53 anos seria de esperar que o tempo me tornasse indiferente - ou pelo menos mais resistente - à injustiça, maldade, falta de carácter, oportunismo. Assim não é, pelo contrário, todas as pequenas, e não tão pequenas faltas, tomam aos meus olhos, importância desmedida. É quixotismo, bem sei, mas é a minha natureza. Também a tua. Continuamos a surpreender-nos e revoltar-nos como se 15 anos tivéssemos. Importante é rodear-se de gente boa, boas pessoas, porque são um bem cada vez mais escasso. Ser bom ser humano, ter à nossa volta gente de bem, é a minha forma de resistir. Parece pouco, mas no mundo que vivemos, é já uma raridade. 

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • M Manel

    Só agora vi a mensagem anterior - note-se que quem...

  • M Manel

    Uma ajuda... Arranja aí uma base para eu poder de...

  • Anónimo

    Não volta?!Vá lá...Escrever faz bem...e ler também...

  • Anónimo

    Que será feito do gerente desta coisa?Filipe em es...