Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Nos tempos de juventude passeie-me pelos corredores da Faculdade de Letras do Porto, frequentando ocasionalmente o departamento de Filosofia. O curso, se outro mérito não teve, ensinou-me a reflectir e a analisar a realidade. Sou uma espécie de Relvas em bom, «Norteio a minha vida pela simplicidade da procura do conhecimento permanente.».

 

As pessoas que mais amei e amo são do sexo feminino, daí que me sinta sempre tentado à impossível tarefa de descortinar os mistério e idiossincrasias da alma feminina. Um dos ditados mais irreal, mais impregnado de falsidade, é «A mulher e a sardinha querem-se da mais pequenina». Claro está que não tenho nada contra mulheres baixinhas, conheço imensas, algumas que apesar do diminuto tamanho acumulam enorme inteligência e sex appeal.

 

Mas eu gosto de mulher grandona. A minha já vasta experiência diz-me que as mulheres pequeninas são uma espécie de coelho Duracell, energéticas que até cansa, saltitantes inesgotáveis. Têm também um mau-feitio desproporcionalmente grande face ao diminuto tamanho. As mulheres que me ralharam, deram descomposturas, fizeram fugir atemorizado com o rabo entre as pernas, eram todas pequeninas. Talvez por isso as minhas melhores amigas sejam moças para 1,70. Uma delas é doce por natureza, está sempre tudo bem, é na essência um dos rapazes aprisionado num corpo de miúda. A outra é como eu, um pinscher humano. Ladra, ladra, mas não faz nada. Refila para desopliar o fígado, mas é de uma enorme bonomia. Têm ambas uma infinita paciência para com os meus disparates e sentido de humor retorcido.

 

Dir-me-ão que cada caso é um caso, que as generalizações são sempre redutoras. Bem sei. Mas, para os jovens rapazes que me lêem, fica a minha experiência. Na dúvida, optem sempre por uma mulher alta. As probabilidades de serem mais pacientes com os nossos disparates, de tolerarem a nossa adolescência interminável, aumentam exponencialmente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

38 comentários

De Fatia Mor a 03.09.2015 às 00:16

E a altura, mede-se com ou sem o saltos altos?


Não resisti. O de cá de casa diz sempre que o problema das mulheres pequenas é que o feitio vem concentrado, pelo facto de o frasco ser mais reduzido.


Talvez sim, talvez não. Mas um facto é que parece existir mesmo essa relação de proporcionalidade inversa: bom tamanho mas mau feitio!

De Fernando Lopes a 03.09.2015 às 00:50

Se o teu aí de casa diz que as mulheres pequenas são normalmente um concentrado de mau génio, quem sou eu para o contradizer. :)

De G. a 03.09.2015 às 07:38

1.67m deste lado a tentar perceber se se enquadra nas baixas ou nas altas :b

De Fernando Lopes a 03.09.2015 às 07:50

Nunca detectei em ti o bicho do mau génio, com 1,67 ponho-te do lado das mediamente altas. Mas lá está, posso estar enganado... Confessa-te aí, és muito torcida? :)

De G. a 03.09.2015 às 09:07

Uiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii!!!! :)


(isso de ser torcida, faz mal à pele. gosto paz :) e de pás, pás :b :b)

De Fernando Lopes a 03.09.2015 às 09:30

Ai a menina gosta de tau-tau? És a última que esperaria que funcionasse à «50 Sombras». ;)

De G. a 03.09.2015 às 10:17

ahahahahahahaha!

De Suricate a 03.09.2015 às 09:39

Não me faz bem ao ego começar o dia com confissões, mas lá vai...apesar de aqui deixar o meu protesto pela associação, tenho a dzer em minha defesa, ou não, que o meu problema já era grande (sendo eu pequena), mas acaba de ficar maior: Eu sou no norte, tripeira nascida e criada com muito orgulho, sou escorpião...e sou pequena de 1,59, 1,60 quando endireito os ombros:))))
Diz quem me conhece que tenho tanto de bom, como de azeda, isto porque quando gosto, GOSTO, quando não gosto, DETESTO. O mesmo se passa com o tão afamado feitio, se estou bem disposta, estou muito bem disposta, mas tenho um pavio pequeno como se percebe pela altura e "portantes" é coisa muito rápida chegar-me a mostarda ao nariz, nesses dias não é bom atrapalharem-me o caminho.
 Resumindo e concluindo homens grandes não me metem impressão nenhuma, precisam de muito mais do que isso para estar à minha altura;)))))) (gaba-te cesta!)

De Fernando Lopes a 03.09.2015 às 10:01

Já que estamos em modo confessional, esta posta tem como inspiração o mau feitio da dona lá de casa, que é 1,60 de energia e mau génio. Na minha busca «à Relvas», originária em observação empírica, cheguei à conclusão que as mulheres pequenas são mais passíveis de mau-feitio. Vale o que vale, mas é uma brincadeira que provoca reacções. Curiosamente muitas senhoras sabem que são de trato difícil, e esse momento de auto-crítica já vale muito. Nunca deixei de ser puto, preciso de ser acarinhado para me sentir seguro, mas tenho plena consciência que sou uma merda de exemplo.


P.S. - Não sou grande, só tenho 1,71. :(

De Genny a 03.09.2015 às 10:13

Bom dia, Fernando!
1,63 e nada de mau feitio. Onde me encaixas nessa tua filosofia?

De Fernando Lopes a 03.09.2015 às 11:00

Não encaixo, só prova que a minha teoria é falível. Nada que não esperasse.:)

De Ana A. a 03.09.2015 às 11:22

Hello! Daqui, da terra dos "lilliputeanos" (1,53), tenho a dizer em minha defesa, que sou mais da onda do "paz e amor" Image, fazendo apenas intervalos para me enfurecer com todo o tipo de injustiças!
(Não, não me vou enfurecer com o Fernando por esta generalização. Sempre desejei ser maior....)  :(

De Fernando Lopes a 03.09.2015 às 12:32

Apesar de não nos conhecermos pessoalmente, a Ana é uma das almas que se passeia pelo purgatório há mais tempo (isto não soou lá muito bem, mas acho que me entende). Assim sendo, já a conheço um bocadinho e sei bem que é das pessoas mais zen com quem tenho o prazer de «falar».

De Xana a 03.09.2015 às 15:56

"Um pinscher humano"? "Um pinscher humano"????!!!!!!????

Ó gajo, estás a habilitar-te!!!!

De Fernando Lopes a 03.09.2015 às 16:12

Rof! Rof! Rof! Um pinscher, mas um pinscher alto, elegante, inteligente, giro, e acima de tudo uma amiga querida. :)

De Xana a 03.09.2015 às 19:30

Não te esforces que já não consegues emendar-te!!!
E a partir de agora não largo os meus saltos de 8 cm, para te ver do alto de 1,78 m e só me verás os dentes assim (e não, não é a rir!)
Image

De Fernando Lopes a 03.09.2015 às 19:33

Belos caninos. Bem me tinhas dito que felizmente não tinhas problemas de dentes. :)

De Anónimo a 03.09.2015 às 19:58

Nem uma cárie! É melhor teres medo. Muito medo.

De Xana a 03.09.2015 às 20:05

O comentário anterior é da pinscher. Esqueci-me de assinar

De henedina a 03.09.2015 às 22:06

Too much information...assim com a estatura já posso fazer o indice de massa corporal...algures no blogue tem o peso.
Ia-me insurgir com o título defendendo que não se quer das pequenas e, afinal, 1.70... Ups sou pequena!

De Fernando Lopes a 03.09.2015 às 22:19

IMC=28, sra. dra. Repare que 1,70 para mim já é uma mulher relativamente alta. Do que lhe vou lendo não me parece que seja um exemplo de bom feitio, mas nunca se sabe. 
Image

De henedina a 03.09.2015 às 22:36

:).
Boa! 28 só lhe faltam 3,1 ;), excesso de peso não obesidade. Tenho 165 cm (uma forma inteligente de ficar a saber...mau feitio :)
A minha mãe dizia que comigo ninguém conseguia ficar triste...desde que morreu... talvez terra razão Fernando.

De redonda a 03.09.2015 às 23:16

Hum, então não era o signo que definia isto?
Mas muito mais importante, aplica-se o mesmo raciocínio aos homens?
E a partir de que altura é que poderemos considerá-los altos?

De Fernando Lopes a 03.09.2015 às 23:52

1) A astrologia é uma treta. 
2) Homem pequenino ou é sacana ou bailarino.
3) A partir do momento em que tiver mais 15 cms que tu. 


Redonda pergunta, Fernando responde. :))

De redonda a 05.09.2015 às 20:06

E assim, se eu tiver, 1,40, e ele 155, é alto
e se eu tiver 1,85 e ele 1,95, é baixo :)

De Fernando Lopes a 05.09.2015 às 20:31

É essa a lógica. ;)

De redonda a 05.09.2015 às 20:44

:)

De Maria Alfacinha a 04.09.2015 às 07:20

Nunca fui pequena, mas o termo de comparação, na altura em que "essas coisas" importam, eram baixotas :-) Ainda por cima, como tinha o chamado "ar desempoeirado", parecia mais alta do que realmente era. Sofri na adolescência, se é que se pode chamar sofrimento, com essa história da sardinha, porque era considerada pouco feminina por não ser mimosa, o que, fosse eu dada a traumas, poderia ter deixado sequelas, mas quando entrei no mundo dos adultos tudo mudou e foi uma verdadeira revelação :-)  Quanto ao mau-feitio, relevando a generalização, concordo contigo. As "sardinhas" são mais rabitesas. Que o dissesse a minha avó que, com menos de metro e meio, punha toda a gente - família e não só - na ordem! Image

De Fernando Lopes a 04.09.2015 às 07:38

«Rabitesa» é uma palavra muito boa. Não se se é um neologismo ou expressão popular, mas é excelente. :)

De Maria Alfacinha a 04.09.2015 às 13:16

Palavras muito usadas, desde que me lembro, "lá em casa".
"Rabitesa" e "Maria Fraldisqueira" :-)

Comentar post

Pág. 1/2

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback