Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Há muito que deixei de ler jornais diários, tanto pelo seu custo, como pela disponibilidade que exigem. O mundo de hoje, sempre em gás a fundo, não se compadece com um ritual de uma hora para ler notícias de ontem que já vimos e lemos na TV e internet. Assino a «Visão», um formato de news magazine que me agrada mais, que tem reportagens de fundo e artigos de opinião. É essa a mais-valia que a imprensa escrita pode trazer hoje, jornalismo de investigação, que custa dinheiro e demora tempo a fazer. Por muito cruel que possa parecer, os diários fazem pouco sentido, vivem mais do imediatismo, com orçamentos encolhidos e não respondem ao que pretendo.

 

No cafezito onde costumo tomar o pequeno-almoço a proprietária decidiu substituir o «JN» pelo «Público». A experiência apenas resistiu dois dias, pois os clientes preferem o tablóide. O que os meus vizinhos de café, trabalhadores de uma seguradora, querem é ver as notícias do rapaz de 15 anos que assassinou outro por ciúmes, do homem que matou a mulher e se suicidou, da mãe cancerosa que envenenou primeiro o filho e depois a si mesmo. Isso, raparigas mamalhudas, e bola, muita bola, da 1ª liga aos regionais.

 

Fecham jornais, reduzem-se redações. Os únicos que resistem airosamente são o «CM» e o seu clone nortenho «JN».

 

Todos os jornais deviam ser sérios, no entanto o espaço para o jornalismo sério está a encolher a olhos vistos. Sinal destes tempos de urgência na informação, da iliteracia da generalidade do povo, da falta de tempo e dinheiro. A imprensa não-tablóide tenderá a definhar e morrer, também porque os jornais sempre se declararam «independentes» como se essa independência fosse sinónimo de bom jornalismo. Acho absolutamente normal que existam jornais de tendência como o «Observador» dos inenarráveis José Manuel Fernandes e Rui Ramos. Quando leio a imprensa estrangeira procuro sempre o «Libération» ou «The Guardian», de esquerda ou centro-esquerda. Não consigo entender que em Portugal apenas um jornal online assuma o que pensa e em que campo ideológico se situa.  

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas:

6 comentários

De henedina a 08.01.2016 às 00:47

Hoje e ontem estive na reportagem dum jornal diário...mas concordo.
Não assassinei ninguém ;).

De Fernando Lopes a 08.01.2016 às 19:03

Estou certo que a sua «aparição» se deve a boas causas. 

De redonda a 08.01.2016 às 00:57

Eu compro jornais pelas revistas, normalmente ao fim de semana, e comecei a comprar o CM ao fim-de-semana (depois de numa viagem do avião (com a TAP) nos terem oferecido o jornal com a revista), e também o Sol e o Expresso (estes dois dou-os ao meu pai e fico com as revistas). Deixei de comprar o Público quando deixaram de ter a XIS. Às vezes leio o jornal e quando leio o CM não me parece que devesse ser tão criticado (se calhar mudaria de ideias se algum dia fosse objecto de uma das suas reportagens), é um pouco como o Charlie Hebdo, posso não concordar com a forma como escolhem os títulos, as matérias que vão  noticiar e como o fazem, mas parece-me importante que o possam fazer, que possa existir sem censuras prévias - e gosto da revista do CM de Sábado, sobretudo pelo sudoku (como cheguei a comprar a Caras pelo artigo das páginas finais sobre Arte que coleccionava (até que deixei de aguentar tantas páginas com casais e bebés felizes em ambientes sumptuosos e já não sabia bem o que fazer com as páginas de Arte).

De Fernando Lopes a 08.01.2016 às 19:06

Gábi, longe de mim querer censurar quem quer que seja, mas o jornalismo tem um código deontológico que não estou certo os tablóides respeitem. O Charlie é um jornal satírico, não pode ser enquadrado dentro dos padrões do jornalismo convencional. Se bem que mal pergunte, consegues ter tempo para ler essas revistas todas?

De redonda a 08.01.2016 às 19:12

Não, não consigo :) já desisti de algumas - como da Veja - outras, dou-as ao meu pai para ele ler, e/ou guardo para quando tiver tempo.

De Fernando Lopes a 08.01.2016 às 19:24

Com o tempo, a casa transformar-se-à numa espécie de alfarrábio. 
Image

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback