Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A «Caxa».

por Fernando Lopes, 24 Jul 14

8:20. Enquanto me desloco de carro, ligo o rádio. Um homem de voz timbrada explica as maravilhas de abrir conta na «Caxa». Cartões de crédito grátis, isenção de comissão de descoberto e outras alegrias do mundo do consumo. Querida «Caxa» como é que podemos iniciar uma relação comercial se ainda estamos nos preliminares e já me roubaste o «i»?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas:

12 comentários

De Efeminúsculo a 24.07.2014 às 00:12

A caxa " é uma usurpadora! Uma relação conturbada que quase nunca acaba bem. Esperemos porém que nunca se transforme num BES. . Talvez, não sei, não percebo muito disso mas sobrevivêssemos se não existissem bancos ou banqueiros. Mas como digo, talvez sim ou talvez não. O certo é que nos vai sobrando a cada dia cada vez menos dinheiro em caxa !" Está muito giro o post . Um pedacinho de humor no caos actual é o que nos adoça a boca. Um bom resto de semana Fernando e uma boa noite.

De Fernando Lopes a 24.07.2014 às 00:47

Incomoda-me um pouco que o sotaque de uma suposta burguesia da capital se esteja a transformar em padrão da língua ou surja associado a situações prestigiantes. Ser cliente da «Caxa», levar os «piquenos» ao cinema, ir a Fátima no «treuze» de Maio ou ter uma consulta marcada para as «dez pás xinco» não é visto como provincianismo porquê? 
E o Image sou eu?

De Efeminúsculo a 24.07.2014 às 01:20

As pessoas pensam que é "bem" falar assim. E será! "Bem," mal. Coitados! É como o vou "tefonar" e o "miga." Adoro esta última, quando elas se encontram e depois do ósculo da praxe, se saem com o "miga."  
Está tudo bem, consigo miga? Outras preciosidades, que agora não me ocorrem, mas do género, que o Fernando apontou. Infelizmente, dão com cada pontapé na gramática, que a língua, já está para lá do coma profundo. Enfim... Não me acho santa! Nem acima de dar uma "calinada" de quando em vez,  é normal, mas tanto a falar como a escrever tento ter o maior cuidado possível. No facebook então, até me arrepio.Image

De Ana A. a 24.07.2014 às 14:05

Ora, Fernando não seja purista, (carago)!

De Fernando Lopes a 24.07.2014 às 16:17

Sou muito sensível quando se trata de transformar o sotaque de Cascais em padrão. ;)

De O Abominável Careca a 24.07.2014 às 19:01

Tenho alguns amigos lisboetas e existe uma receita infalível...Cerca de meia hora de "cumbibio" com as gentes do norte e em menos de nada já os ouves a trocar os B pelos V e a praguejar como o mundo acabasse amanhã...
Mas na realidade acontece com frequência o oposto como é o triste exemplo da jornalista do "laite"...Image

De Fernando Lopes a 24.07.2014 às 20:11

Tens toda a razão, os falantes usam a língua como mecanismo de aculturação. Um pequeno drama, pois num país tão pequeno e com uma riqueza de sotaques como o nosso, a atitude inteligente seria preservar e valorizar os diferentes modos de dizer.

De Cenourita a 28.07.2014 às 18:46

O roubo do "i" é para os atentos! 
Há sítios onde não de devem guardar os trocos ;)

De Fernando Lopes a 28.07.2014 às 19:07

Por este andar vamos todos ter o dinheiro debaixo do colchão. Umas das «técnicas» que ouvi é meter o dinheiro em sacos de plásticos herméticos, depois numa panela de pressão, fechar muito bem e enterrar. Parece que as notas se aguentam como novas durante décadas.

De Cenourita a 28.07.2014 às 22:10

Ahahahah!!! O que eu me ri agora... a pensar que se multiplicavam dentro da panela de pressão!!!
Essa técnica não me agrada muito só por causa do "alemão", é que uma pessoa pode esquecer-se do sítio onde enterrou a panela. E depois, décadas... as notas saem de circulação e vai-se a ver e, nada! ;)

De Fernando Lopes a 28.07.2014 às 22:59

Convêm partilhar o segredo com alguém de confiança para o caso de morte súbita ou ataque do «alemão». A saída das notas de circulação dura décadas. O que me preocupa é se é tão forreta que enterra a massa e não diz nada a ninguém. 
Image


De Cenourita a 28.07.2014 às 23:13

De forreta não tenho nada, sou uma mãos largas e enterro uma boa parte no estado que sabe os meus segredos todos... o que sobra nem dá para esconder debaixo  do colchão. Agora se ele se multiplicasse na panela de pressão, faria já um investimento, comprava uma ;)

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback