Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Respeitosamente

por Fernando Lopes, 3 Nov 11

Fisicamente eram seres antagónicos. Ela era baixa, magra, loura, com os olhos claros e a pele branca, muito branca, como a daquela gente que nunca se expõe ao sol. Ela era alto, moreno, pesadão, ligeiramente careca, com uma voz tronitruante. Ficara viúva muito cedo, conquistando com o seu trabalho de administrativa um futuro melhor para o único filho. Ele herdara a mercearia do pai. Desistira de estudar para trabalhar como marçano, aguardando pacientemente que a velhice ou a morte lhe proporcionassem o que era seu por direito.

Na loja, entre batatas, cebolas, arroz e fruta da época, as suas mãos tocavam-se. No estreito daquele espaço, os corpos roçavam-se, como sem querer. Havia as piadas, mais ao menos óbvias, sobre as frutas e legumes, sempre de cariz sexual, numa insinuação nunca integralmente proferida.

Num dia, ao debruçar-se sobre ela, sentiram a inevitabilidade. Encaminhou-a para as traseiras da mercearia. Colocou-a em cima de um pequeno balcão. Calças para baixo, saias para cima, fizeram-no com urgência. Não se tratava de amor, mas da necessidade de matar aquele desejo tantas vezes vislumbrado.

Ela nunca mais foi às compras à loja do Sr. Manuel. No entanto, quando se cruzam na rua, cumprimentam-se. Respeitosamente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

5 comentários

De Ricardo a 03.11.2011 às 14:48

Ai ai ai. Isto está a ficar perigoso. Estou quase a propor-me para teu agente literário.
Abraço
Ricardo

De Fernando Lopes a 03.11.2011 às 15:39

Proposta:

Montamos um estaminé, cheio de livros e bebidas alcoólicas. Frequentado por meninas boas de más famílias. Assim só se estragava uma casa!
(Não fosse a tua mãe uma senhora amabilíssima e encantadora, mandava-te prá ...)

Abraço,
Fernando

De Moriae a 04.11.2011 às 17:49

Escreves lindamente! : )

De Fernando Lopes a 04.11.2011 às 18:33

Obrigado, mas apenas gosto de inventar umas historietas. Sempre com um final aberto à imaginação de quem lê. Nada mais.

De Moriae a 04.11.2011 às 19:18

Exactamente, Fernando, tens 'veia'!!! Continua, amigo! : )

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • JOSÉ RONALDO CASSIANO DE CASTRO

    O Pretinho do Japão é citado, como profeta, em Ram...

  • Anónimo

    Quando a sorte é maniversa nada vale ao desinfeliz...

  • M Manel

    Só agora vi a mensagem anterior - note-se que quem...

  • M Manel

    Uma ajuda... Arranja aí uma base para eu poder de...