Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Lavandaria Portugal, S.A.

por Fernando Lopes, 23 Out 13

Adoro os editorais inflamados do “Jornal de Angola”. À sua maneira, recordam-me a propaganda russa de finais de 70. Na casa dos pais, circulava ocasionalmente uma revista, “Vida Soviética”, em que o regime que implodiu, gerou e gera enormes desigualdades, fomentou máfias e oligarquias, era descrito como o paraíso na terra. É isso a propaganda, vender uma ideia de tal forma que esta se torne verdade insofismável. Os angolanos têm dinheiro, falta-lhes respeitabilidade. Qualquer ser sensato se questionaria de que forma a família Dos Santos e seus serventuários obtiveram fortunas tão colossais. Sejamos claros: é dinheiro roubado ao povo angolano. Os angolanos têm dinheiro, mas não honorabilidade, e isso é a que a coisa última a que aspiram todos os mafiosos; serem legítimos. Enquanto qualquer outro país europeu questionaria a origem deste caudal incessante de fundos, Portugal acolhe-os de braços abertos, sem uma única questão. Donde veio o dinheiro para fundar bancos, comprar outros, tornar-se um potentado nas telecomunicações nacionais? Os governos portugueses não sabem, nem questionam. Precisamos do investimento angolano, os angolanos necessitam dos portugueses para o transformarem em “dinheiro bom”. Por muitas birras públicas que faça José Eduardo dos Santos, tudo não passa de demagogia para consumo interno. Temos o produto último que ambicionam, a legalidade empresarial. Sem isso não passam de vulgares ladrões em farpelas de luxo, diferenciando-se apenas pelos bizarros padrões de gravata .

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas:

2 comentários

De Ana A. a 24.10.2013 às 15:31

Concordo!
Mas vejamos, de onde vem o dinheiro dos "mercados"? O dinheiro é sempre bem-vindo a quem dele necessita. Algum operário está preocupado se o seu salário provém de uma actividade especulativa imoral? As grandes fortunas não terão como base, ainda que num passado remoto, a desapropriação de bens, o trabalho escravo, a especulação em dado momento(ex:guerras), por escassez de produtos... ? Logo, os angolanos não são assim tão diferentes das "famiglias" em portugal que sempre estiveram a comandar os nossos destinos. A família Santos e quejandas ainda estão em bruto, mas dêem-lhes tempo e ficarão refinados como os demais e daqui a umas décadas os seus descendentes serão pessoas honoráveis.

Abraço

De Fernando Lopes a 24.10.2013 às 19:46

É óbvio que todas as fortunas têm uma base na exploração do semelhante mas não sou maniqueísta, nem todos os ricos são maus. Um industrial p.ex. explora a mão de obra de forma legítima, ainda que às vezes...
Sempre ouve líderes e liderados, é intrínseco à natureza humana. O grau de humanismo e empatia com os empregados distingue o empresário do explorador.

Abraço.

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • JOSÉ RONALDO CASSIANO DE CASTRO

    O Pretinho do Japão é citado, como profeta, em Ram...

  • Anónimo

    Quando a sorte é maniversa nada vale ao desinfeliz...

  • M Manel

    Só agora vi a mensagem anterior - note-se que quem...

  • M Manel

    Uma ajuda... Arranja aí uma base para eu poder de...