Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O asilo.

por Fernando Lopes, 18 Mar 13

Vivemos num mundo segmentado pela idade, em que as várias gerações cada vez menos se cruzam. A falta de respeito pelos velhos, deve-se, não só à publicidade, que teimosamente alimenta o mito da juventude para consumidores cada vez mais envelhecidos, mas também porque insistimos em proteger as nossas crianças de tudo o que está em decadência, como se não fossem eles os velhos de amanhã.

 

Ocorre-me esta prosa porque vivemos encaixotados em armários de gerações. Os mais novos na escola, os adultos a trabalhar ou a tentar encontrar trabalho, os velhos em asilos, colocados longe para afastar a visão da nossa futura decrepitude.

 

Com uma emigração jovem em massa, sem política de incentivo à natalidade, Portugal será dentro de uma ou duas décadas, um gigantesco asilo de velhos pobres, maltratados, a viver em condições sub-humanas. Haverá futuro mais aterrador do que este?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas:

6 comentários

De Ana A. a 19.03.2013 às 13:00

"...um gigantesco asilo de velhos pobres, maltratados, a viver em condições sub-humanas."

Alguém está já a tratar para que isso não aconteça.

A esperança média de vida irá baixar, devido à pobreza actual e a de médio prazo que se antevê, o que fará que os que chegarão a velhos serão os que têm meios para existirem com dignidade, logo, a paisagem humana não será assim tão confrangedora...

Abraço

De Fernando Lopes a 19.03.2013 às 15:49

É de facto, um factor a ter em conta. Provavelmente com a diminuição dos cuidados de saúde, muitos de nós não chegaremos a velhos. Confesso que não tinha pensado nesse modo de aliviar a carga do estado social.

Abraço.

De pimentaeouro a 19.03.2013 às 23:58

Os saldos demográficos são complicados: menos nascimentos dá mais velhos.
Mesmo que a esperança de média de vida baixe, a cultura continuará a ser a que refere.
Cumprimentos.

De Fernando Lopes a 20.03.2013 às 00:22

Todos temos a ganhar com o conhecimento e respeito mútuo entre gerações. Parte do que sou devo-o a velhos, e, no entanto, aprendo muito com os mais novos. Esta separação da sociedade por idades, parece-me de algum modo, anti-natural.

De O Abominável Careca a 20.03.2013 às 19:51

Esta é mesmo para rematar...

Aliada a questão de envelhecer num país FALIDO, o preocupante nesta altura do campeonato é o simples facto de haver idosos a ser penhorados pelo fisco nas suas magras reformas pela pérfida razão de serem fiadores dos próprios filhos...

E pessoalmente negando o célebre Tiririca com a tirada "Pior do que está não fica", preparemos-nos e sem excepções porque o remake do que aconteceu há anos na Argentina, pode muito bem repetir em terras lusas e bem mais cedo do que se espera!!!

Um abraço!

De Fernando Lopes a 20.03.2013 às 20:18

O futuro será o da Grécia, duas e às vezes três famílias a viver sob o mesmo tecto, filhos desempregados e pais penhorados. Vamos ver a capacidade de engolir sapos dos portugueses.

Abraço.

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • JOSÉ RONALDO CASSIANO DE CASTRO

    O Pretinho do Japão é citado, como profeta, em Ram...

  • Anónimo

    Quando a sorte é maniversa nada vale ao desinfeliz...

  • M Manel

    Só agora vi a mensagem anterior - note-se que quem...

  • M Manel

    Uma ajuda... Arranja aí uma base para eu poder de...