Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Paulinho

por Fernando Lopes, 11 Mar 11

Deu-me o fanico. Entre comprimidos, e para aliviar o tédio resolvi reorganizar os contactos do telemóvel. Dei com o nome do Paulinho. O Paulinho era um amigo meu de juventude, que faleceu num estúpido acidente. Fui ao funeral e despedi-me como sempre. Uma palmada na cara e um - até um dia destes companheiro. Já passaram mais de dois anos, mas não consigo apagar o contacto do telemóvel. Como se ao apagá-lo, extinguisse a possibilidade de o voltar a reencontrar. Como se tivesse medo de apagar a amizade, os copos bebidos, as confissões trocadas. Como se me estivesse a confrontar com a minha própria mortalidade, em que chegará o dia que, também eu, serei um contacto a apagar. Vais ficar por aqui. Um dia destes vou ver-te ao dobrar da esquina, dar-te o estalo carinhoso do costume e dizer:
- Vem daí, vamos beber uma cerveja e pôr a conversa em dia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

4 comentários

De Fenix a 11.03.2011 às 21:14

Fernando,

Mais importante que figurar no telemóvel é "morar" no seu coração!

Então deu-lhe o fanico?!

As melhoras e lembre-se:

"Não leves a vida demasiado a sério; nunca conseguirás sair dela vivo "
(Elbert Hubbard)

Abraço
Ana

De Fernando Lopes a 11.03.2011 às 21:47

Ana,

Acho que estou a ficar gágá. A minha mulher, que tem memória de elefante, lembrou-se que esse querido amigo morreu antes de a minha filha nascer,já lá vão quase seis anos.
Mas tem razão, está vivo e bem vivo nas minhas memórias e no meu coração.


Abraço,
Fernando

De adevidacomedia a 13.03.2011 às 10:26

É isto mesmo...Abraço

De Fernando Lopes a 13.03.2011 às 12:02

Devida Comédia,

Obrigado pela visita, que muito me honra. Como profissional das letras e sobretudo como amigo, peço-te o que já pedi à estante acidental, crítica desapiedada,pois só assim posso vir a aspirar a algum dia escrever alguma coisa de jeito.

Quanto à amizade, é inexplicável, um fenómeno que me transcende, quase "de pele". Recuso-me a apagar as velhas memórias, em homenagem às que ainda aí virão.

Um abraço,
Fernando

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • JOSÉ RONALDO CASSIANO DE CASTRO

    O Pretinho do Japão é citado, como profeta, em Ram...

  • Anónimo

    Quando a sorte é maniversa nada vale ao desinfeliz...

  • M Manel

    Só agora vi a mensagem anterior - note-se que quem...

  • M Manel

    Uma ajuda... Arranja aí uma base para eu poder de...