Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Disputado por duas mulheres aos 50

por Fernando Lopes, 16 Ago 12

Final de dia terrível. Acabei de levar duplo puxão de orelhas. A minha mulher pretendia que eu fosse mais atento, colaborante com as tarefas domésticas, exercendo maior apoio parental. Basicamente uma Mary Poppins de calças, sexy, bem humorado, pai incansável, com dotes culinários. É uma tarefa hercúlea, para a qual, confesso, não estou à altura. Ainda hoje me interrogo porque é que as mulheres querem um homem ideal ou transformar o seu, em vez de conviverem alegremente com as nossas virtudes e defeitos.

 

A filha chamou-me à parte, um ataque de ciumeira. Só presto atenção à mãe, está magoada comigo porque brinco pouco com ela, acha que gosto mais da mãe. Expliquei-lhe que são amores diferentes, que ainda hoje a tinha levado a ver o filme que queria, que nenhum amor é maior do que o parental, apenas diferente.

 

Sinceramente estou demasiado velho para ser disputado por duas jovens senhoras. Por mais que faça nunca consigo corresponder às expectativas que depositam em mim. A minha homenagem sincera aqueles que são pais de duas e três meninas. A vida assim deve fazer qualquer homem sentir-se um ser microscópico.

Autoria e outros dados (tags, etc)

5 comentários

De Ricardo Goncalves a 16.08.2012 às 23:06

Uffffffffffffffa........tell me about it......duas filhas, dois filhos.....

De Fernando Lopes a 17.08.2012 às 00:10

É o preço a pagar por um aparelho reprodutor que sofre de hiperactividade.

De Ricardo Goncalves a 17.08.2012 às 00:27

Acho que este é mesmo um daqueles casos onde se aplica:"são mais que as mães..." :)))))))

De Sílvia a 20.08.2012 às 09:21

Tarefa hercúlea?? E não é isso que foi pedido às mulheres durante décadas? Do que se queixam os homens? O casamento (ainda) é um mau negócio para as mulheres...!

De Fernando Lopes a 20.08.2012 às 11:27

Têm razão, Sílvia. Mas o caminho, penso eu, é conviver com as limitações do outro. Mas o meu casamento nunca foi um "negócio", foi um acto de amor de duas pessoas livres e conscientes.

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback