Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O parceiro dispensável

por Fernando Lopes, 26 Fev 12

Para os solteiros, um aviso. Quem pensa que a vida de casado é plena de actividade sexual, desengane-se. Por estranho mecanismo, as mulheres depois de casadas parecem menos disponíveis sexualmente. Não sei se a união limita a libido, certo é que na minha experiência, sem valor estatístico, foi isso que aconteceu. Depois temos a fase seguinte em que o amor se materializa num filho. E aí é o fim da picada. Os amigos casados sabem bem do que estou a falar. Após a maternidade, os maridos são relegados para o lugar de apêndice tolerado. Não se iludam, ficam no fim da lista de prioridades da novel mãe. O filho, o cão, o periquito e depois, bem depois, lá no fim da escala de afectos, o parceiro. À medida que descemos nesta escala de prioridades, decrescem também as vezes em que fazemos amor. Porque a criança chora, o cão precisa de ir fazer chichi, qualquer razão é boa para adiar o sexo. Não sei se é assim em todos os casos, mas já fui confessor de idêntica condição, a de parceiro dispensável. Quem quiser partilhar a sua experiência, dizer de sua justiça, tem a caixa de comentários aberta. Pode fazê-lo anonimamente, que sei bem que as questões de alcova são matéria sensível.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas:

9 comentários

De bibónorte a 26.02.2012 às 19:44

Caro Fernanado
Põs o dedo na ferida!!Todo o mundo se queixa do mesmo!
Abraço

De Fernando Lopes a 26.02.2012 às 19:56

bibónorte,

Não é propriamente uma queixa, é mais uma constatação. As mulheres quando entram em "modo de maternidade", por instinto ou necessidade, negligenciam o companheiro. Até certo ponto é normal, a sobrevivência do rebento é primordial. Depois, bem, depois, passamos a ser uma espécie de compincha. E a paixão passar para essa normalidade, é, para mim e para muitos homens, traumática. Acho que me entende. Ficamos assim

Abraço e obrigado pela participação frontal e sem preconceitos.

De Ana A. a 26.02.2012 às 19:46

Fernando

Há muitos anos li numa revista feminina brasileira, o seguinte: "ao fim de alguns anos de vivência em comum o homem vira parente" e "quem quiser manter o fogo deve viver em casas separadas"...

Na altura achei um exagero, mas depois constatei que é uma grande verdade. Mas convenhamos, o companheirismo, a cumplicidade e partilha, o sexo sem sobressaltos, enfim... a pacatez das (quase) certezas de que a terra é redonda e gira à volta do sol, podem não conter aquela adrenalina, mas é um bom porto de abrigo...para quem for avesso a tempestades!

;-))

Abraço
Ana

De Fernando Lopes a 26.02.2012 às 20:03

Ana,

O homem vira parente é uma boa definição. Mas porque é que connosco não acontece o mesmo? Porque é que nas mulheres a libido diminui proporcionalmente à estabilidade da relação? Não deveria ser o contrário? Mais coisas partilhadas, mais vivências, darem azo a um desejo mais profundo? Repare que estou a exprimir-me de um ponto de vista masculino, penso que passado o "efeito novidade", o desejo pelo parceiro devia ser mais forte. Definitivamente, nunca vou entender as mulheres.


Abraço,
Fernando

De Anónimo a 27.02.2012 às 00:42

eu sempre disse que nunca hei-de casar. E neste post vejo mais um motivo para isso!

De Fernando Lopes a 27.02.2012 às 00:59

Cada experiência, como cada casamento é singular. Não sei se o que descrevo é o padrão. De qualquer forma, hoje em dia ninguém se casa. A coabitação é uma belíssima alternativa ao casamento, exceptuando as questões legais, como falecimentos, pensões e quejandos, que só se colocam à malta de meia-idade como eu.

De Dalila a 03.03.2012 às 18:25

Eu só casei na quarta, mas já tive a filha... A paixão vira amor e amor acalma, mas não esquece, como diz o nosso amigo rick o não sei o que e o não sei o que mais vai do começar ......

De Fernando Lopes a 03.03.2012 às 18:33

E casaste muito bem! Uma jóia de moço, para um amor de rapariga, num casamento à cinema! Adoro os noivos, amo o produto desse casamento, pequenina, cheia de fibra.
Amo-vos. Aos três!

De Dalila a 03.03.2012 às 19:36

Nos tb te amamos, e nos afectos que ninguém nos ganha. E bom ter te por cá sempre

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • JOSÉ RONALDO CASSIANO DE CASTRO

    O Pretinho do Japão é citado, como profeta, em Ram...

  • Anónimo

    Quando a sorte é maniversa nada vale ao desinfeliz...

  • M Manel

    Só agora vi a mensagem anterior - note-se que quem...

  • M Manel

    Uma ajuda... Arranja aí uma base para eu poder de...