Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

No fio da navalha

por Fernando Lopes, 3 Fev 12

Notícias do ramerrame diário. Tomo o primeiro café do dia numa espelunca de 10m2, que também serve almoços. Um local pouco aprazível, que tem como única superioridade o facto de se encontrar no caminho do trabalho. Velho, mal tratado, onde coexistem torradas e cheiro a estrugido, as únicas características que o recomendam são um café de primeira e a simpatia da empregada, uma rapariga de 30 e poucos anos, ruça espevitada e diligente.
Hoje, enquanto comentávamos o frio, não resistiu a soltar um desabafo:

- Qualquer dia sou mais uma para o desemprego.
- Está a falar a sério?
- Estou. O patrão está a pensar em fechar.

E saí dali, sem dizer palavra, a pensar como estamos todos no fio da navalha. Sem plano, sem mapa, fazendo navegação de cabotagem, com terra firme ou naufrágio certo à distância do olho.

Autoria e outros dados (tags, etc)

2 comentários

De Moriae a 03.02.2012 às 20:36

E assim vamos caminhando, à beira desse abismo. Ou por ele afora. Negros tempos sem qualquer esperança.

De Fernando Lopes a 03.02.2012 às 20:44

Sem esperança morremos por dentro. Quero ter esperança!

Bj,

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • JOSÉ RONALDO CASSIANO DE CASTRO

    O Pretinho do Japão é citado, como profeta, em Ram...

  • Anónimo

    Quando a sorte é maniversa nada vale ao desinfeliz...

  • M Manel

    Só agora vi a mensagem anterior - note-se que quem...

  • M Manel

    Uma ajuda... Arranja aí uma base para eu poder de...