Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Citações (II)

por Fernando Lopes, 1 Abr 11

Paris, Maio de 68

La liberté n'est pas un bien que nous possédions. Elle est un bien que l'on nous a empêché d'acquérir à l'aide des lois, des règlements, des préjugés, ignorance...

Autoria e outros dados (tags, etc)

4 comentários

De M Manel a 01.04.2011 às 18:46

O nosso querido Ministro, agora da Defesa e agora felizmente demissionário Augusto Santos Silva foi meu professor na Faculdade de Economia do Porto, já lá vão uns anitos (o correlegionário e camarada de bancada Teixeira dos Santos também, mas nesse nem me apetece pensar).
Era o assistente de Ciências Sociais, na vertente prática onde se debulhava conhecimento e opiniões, às vezes até interessantes. Alguns ds meus colegas e moi même - no espírito do texto introdutório "blogueiro"- assistimos à sua defesa de tese, de esquerda, quase a tocar o anarquismo, da qual de certeza já não se lembra:-)
E porque o ministro e a tese? Porque além das leis, dos regulamentos, preconceitos e etc, fica bem provado para mim que a sede e o encanto do poder conseguem recauchutar, espalmar e anular mesmo quem responsavelmente e convictamente defendia a liberdade incondicional do indivíduo perante a sociedade...

(O Teixeira dos Santops fica para outro dia, que hoje é sexta-feira e não convém estragar o f. de semana tão desejado)

De Fernando Lopes a 01.04.2011 às 19:41

Manel,

O conceito de anarquismo está muito mal difundido. Aliás prefiro o conceito "libertário", ou quando muito o "anarcoindividualismo". Sonhar é de borla (por enquanto), por isso "deixa-me sonhar" ....
Quanto aos teus mestre, percebes agora porque é que as profissões mais mal vistas do momento são os economistas e políticos, não ?
Então quando são dois-em-um ...


Abraço,
Fernando

De Fenix a 01.04.2011 às 19:57

Fernando,

A Liberdade continua a ser uma utopia. Existem sim, mais ou menos condicionalismos a que estamos sujeitos, mas por muitos que consigamos remover nunca seremos Livres o suficiente.

Abraço
Ana

De Fernando Lopes a 01.04.2011 às 20:09

Ana,

Tem um raciocínio tão pragmático que às vezes me assusta. Como eu gostava de ser assim, primeiro razão, depois emoção. Comigo é tudo ao contrário, sou o maluco dos afectos, o crente das causas perdidas.
É, acho eu, um belo ponto e contraponto aqui no purgatório.

Abraço,
Fernando

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • JOSÉ RONALDO CASSIANO DE CASTRO

    O Pretinho do Japão é citado, como profeta, em Ram...

  • Anónimo

    Quando a sorte é maniversa nada vale ao desinfeliz...

  • M Manel

    Só agora vi a mensagem anterior - note-se que quem...

  • M Manel

    Uma ajuda... Arranja aí uma base para eu poder de...