Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Medina Carreira, o meu marreta favorito

por Fernando Lopes, 25 Fev 11


Medina Carreira é o meu marreta favorito. Destila fel mais rápida e ritmadamente que a cópula de coelhos. Comigo a luz, com os outros, o reino das trevas. Confesso que este senhor me diverte. Fala contra a classe política, qual virgem impoluta, que nunca tivesse exercido um cargo político. É um Nostradamus de trazer por casa, mas ainda mais catastrofista do que o original. Mário Crespo (conhecido lá em casa por pássaro bisnau, devido ao peculiar feitio da zona labial), saliva como gato que vê o bofe. Zangaram-se as comadres. Fontes bem informadas, disseram ao purgatório, que o velho Medina não queria perder o cachet, de que, agora, por iniciativa legislativa se vê obrigado a abdicar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

4 comentários

De O abominável careca a 25.02.2011 às 14:21

Caro Zé, este senhor já teve responsabilidades governativas e no entanto não são conhecidas medidas pragmáticas quando era ministro. Embora seja um bocado o "Arauto" da desgraça, não deixa de ter razão em muitas condenações que faz acusando os sucessivos governos e governantes pela incapacidade de tomar medidas de acordo com a situação gravíssima que este país atravessa. Quanto ao cachet que o senhor recebe nos tempos que correm não se pode nem se deve desperdiçar oportunidades de ouro para ajudar a equilibrar o orçamento familiar!
Um abraço!

De Fernando Lopes a 25.02.2011 às 14:24

Pedro,

Independentemente da razão que assista ao senhor, aquilo era mais um disco riscado. Um programa que diz sempre a mesma coisa tinha mesmo de acabar.

Abraço,
Fernando

De Fenix a 25.02.2011 às 20:59

Fernando

Concordo consigo quando diz que o programa era um disco riscado, mas enquanto não riscou, fez algo de "produtivo" junto da opinião pública, apesar de como diz e muito bem que o Medina falava qual virgem impoluta.
É a velha máxima: "Olha para o que eu digo e não olhes para o que eu faço".

De Fernando Lopes a 25.02.2011 às 21:42

Ana,

Como dizia o outro, bem pregava Frei Tomás. Acho o personagem castiço, mas já não tinha mais para dizer.
Repetir as ideias à exaustão não as tornas mais verdadeiras ou inevitabilidades.
É o que eu acho, mas existe sempre a altíssima probabilidade de estar errado.

Abraço,
Fernando

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • JOSÉ RONALDO CASSIANO DE CASTRO

    O Pretinho do Japão é citado, como profeta, em Ram...

  • Anónimo

    Quando a sorte é maniversa nada vale ao desinfeliz...

  • M Manel

    Só agora vi a mensagem anterior - note-se que quem...

  • M Manel

    Uma ajuda... Arranja aí uma base para eu poder de...