Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O País apagado

por Fernando Lopes, 15 Jan 12


Moro na zona da rotunda da Boavista, no Porto. Hoje tive de sair para fazer compras, durante o futebol, tempo particularmente tranquilo em centros comerciais e afins. A rua de Júlio Dinis já foi artéria de forte comércio. Hoje é fantasma escurecido, mostra do que Portugal se está a transformar. Fechou a sapataria Charles, a Bertrand, a Singer dos electrodomésticos a prestações. Subsistem duas ou três boas sapatarias e lojas de roupa low-cost.

Mas, o que mais me impressionou, é a escuridão que se abateu sobre as montras. Todos nos lembramos do velho hábito de "ver montras" em que percorríamos as artérias das cidades, procurando pechinchas ou simplesmente passeando e vendo a moda da estação.

Hoje, provavelmente devido ao aumento do preço da electricidade, os já debilitados comerciantes optaram, na sua esmagadora maioria, por apagar a luz. O "window shopping" da minha juventude morreu com a desertificação do centro da cidade e o o aumento das tarifas para pagar a Catrogas, Cardonas e outros cadastrados. Resta um ar lúgubre, de um país, também ele, prestes a ser apagado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

3 comentários

De Fernando Lopes a 15.01.2012 às 19:12

Abominável e Fénix,

É acima de tudo uma constatação triste. O impacto que a crise terá no pequeno comércio ainda está longe de estar aferido. Durante este ano serão falências às centenas e os consequentes desempregados. Ontem, entristeceu-me ver uma rua comercial em agonia. Sei bem que os centros comerciais também têm aqui o seu papel, mas o comércio de rua faz parte dos traços identitários de uma cidade. De facto Ana, mais um factor para potenciar a nossa tristeza endémica.

Abraço,
Fernando

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback