Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dos bloggers ou da importância que não temos

por Fernando Lopes, 30 Mai 11

Prefiro blogues individuais a colectivos. Pessoais a políticos. Mas isto são opções minhas, que têm a ver com a maneira como encaro um blogue. O que me dá vontade de rir, é a importância que damos ao nosso hobby e a relevância que julgamos ter para a formação da opinião de terceiros. Tenho relutância em ver-me como um blogger. Sou antes um tipo que resolveu escrever meia dúzia de tretas publicamente. Assim, sujeito ao contraditório e a opiniões favoráveis, desfavoráveis e até a aturar com infinita paciência defensores da supremacia branca.

Vêm isto a propósito da mundividência muito peculiar de Fernanda Câncio. No jugular e a propósito deste post, trocamos galhardetes. Depois bloggers à seria, do 5dias e aventar, publicaram isto e isto.
Dei por mim a pensar o que serão estas discussões e trocas de argumentos para o homem e a mulher comuns. Eles não estão preocupados com os "acampados" do Rossio ou a violência na Praça da Catalunha. Estão demasiado ocupados a sobreviver num emprego em que recebem 700 euros por mês ou a procurar trabalho.

Os blogues, as reflexões, os debates acalorados nada lhes interessam. E, no entanto, é também por eles que escrevo. Somos um bocadinho ridículos, dando-nos uma importância que não temos. É que isto de blogues não é para todos, é só para quem pode. Os outros, marginais, excluídos ou trabalhadores de salário mínimo não têm tempo a perder com merdices intelectuais ou ideológicas. Se calhar ainda bem, para nos porem em perspectiva.

Autoria e outros dados (tags, etc)

2 comentários

De M Manel a 30.05.2011 às 21:40

Desde que vi numa revista semanal
uma crónica de F. Câncio sobre bidés, julgo-a capaz de superar em imbecilidade qualquer "artista", até o emplastro em pessoa.

Pelos vistos, continua igual a ela própria - não merece nem o tempo da leitura.

Por mim, já teria ir chatear o Camões, ou quem sabe o F. Pessoa. Sempre podia tomar um cafézito, à pala de algum otário;-)

Bj

De Fernando Lopes a 30.05.2011 às 22:26

O engraçado é que ela usou a táctica dos políticos. Pegou na palavra corporativa e foi for ali fora, sempre focada no acessório e esquecendo o essencial. Ainda a vamos ver a ministra!
:)

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • JOSÉ RONALDO CASSIANO DE CASTRO

    O Pretinho do Japão é citado, como profeta, em Ram...

  • Anónimo

    Quando a sorte é maniversa nada vale ao desinfeliz...

  • M Manel

    Só agora vi a mensagem anterior - note-se que quem...

  • M Manel

    Uma ajuda... Arranja aí uma base para eu poder de...