Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O estado como exemplo.

 

Somando a situação da administração central à das administrações regionais e locais, "assistiu-se a um acentuado crescimento de 89,9% nas prestações de serviços" em 2013. Mais 12.925 casos. Dá um total de 27.296 pessoas em situação temporária no final do ano passado dos quais mais de 86% prestam serviços no ministério da Segurança Social.

 

Nada disto surpreende porque na maioria das vezes não é uma opção económica, mas ideológica. O que se passa no Ministério da «Segurança Social» é replicado em centenas de PMEs. A coberto da preocupação com o desemprego jovem, o programa Relvas matou dois coelhos de uma cajadada. A ideia é simples: para quê empregar-te a ti, que ganhas 1.500 euros se a custos reduzidos posso contratar dois estagiários? São promovidas todas as formas de precariedade desde os «tarefeiros» aos «estagiários». Uma forma simples de pressionar os efectivos a aceitar a baixa de salários, brandindo os jovens como ameaça. Não existe racional económico para o estado que paga grande parte do salário ao jovem estagiário e subsídio de desemprego àqueles que foram despedidos. Trata-se de um momento de revanche dos empresários com o beneplácito do governo com o único objectivo de baixar os custos salariais das empresas, nem que para isso seja o «estado» a pagar. O ataque ao trabalho e direitos dos trabalhadores é a marca ideológica que fica deste governo. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas:

3 comentários

De Ana A. a 14.05.2014 às 14:44

Terrorismo social ou uma guerra civil moderna e sofisticada.
Que condições morais e materiais existem para procriar?
Que tipo de sociedade irá emergir a médio prazo?
Iremos ficar cada vez mais desumanizados e regressar ao tempo das cavernas?!

De Fernando Lopes a 14.05.2014 às 19:07

Não é a primeira nem será a última vez que o estado serve de instrumento para interesses privados. Neste caso o novo paradigma partilhado por governo e patrões. É um momento ideológico como qualquer outro, que terá o seu apogeu e consequente declínio. Entretanto o país pára por causa do futebol, o fado é património imaterial e Fátima tem multidões. Não lhe faz lembrar os «bons velhos tempos»?

De Ana A. a 15.05.2014 às 11:27

AH! Os bons velhos tempos... :(
O que me preocupa não é só o actual momento ideológico nacional, mas sim o que ele espelha. O retrocesso dos direitos humanos e dos avanços sociais que tão duramente foram conquistados desde a revolução francesa, com avanços e recuos, mas sempre numa direcção ascendente. E agora, o que temos: é a especulação criminosa; os Estados subservientes ao dinheiro; os monopólios de bens essenciais como a água...isto só pode acabar mal. Muito mal!

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback