Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Carochinha do Séc. XXI.

por Fernando Lopes, 8 Ago 16

Li num blogue feminino brasileiro a conversa da carochinha contemporânea. Constatava a jovem moça que tinha sido criada em igualdade com os homens, que prezava a sua autonomia, que saía quando lhe apetecia, com quem queria, tinha uma vida profissional de sucesso, carreira académica sem mácula, que via os homens como iguais. Tudo isto seria normal se não terminasse com algo do género «ninguém quer casar comigo porque sou independente e liberada». Não estando habilitado a falar por homens mais novos, constato a contradição de discurso entre a mulher livre e independente, que em simultâneo não abdica do jogo tradicional de papéis. O mundo mudou, a sociedade mudou, também os homens são mais independentes. Qualquer jovem macho é autónomo na sua vida profissional, sexual, doméstica. Muitos vivem vidas que se caracterizam pela prevalência do individual sobre o familiar. Não precisam, não sentem necessidade de uma família tradicional, de filhos. O mundo transformou-se numa procura de satisfação imediata, o investimento numa relação e posteriormente numa família é uma aposta de longo prazo que não motiva a maioria. Uma família significa abdicar do «eu» para pensar no «nós», e esse conceito de colectivo é cada vez mais frágil. Um tempo de individualismo gera pessoas individualistas. É pueril constatar que a sociedade mudou, os papéis de género também, e, no entanto, aspirar a um modelo de família tradicional.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Presas, que de facto, o não são.

por Fernando Lopes, 4 Mai 16

Algo que me irrita nas mulheres portuguesas é verem-se sistematicamente como presas num mundo de predadores. Não nego que existam homens que vivem para o prazer da conquista, esfalfam-se para seduzir usando armas poucos subtis ou éticas. Daí ao assédio vai um pequeno passo, concedo isso.

 

No mundo dos adultos que algumas se recusam a habitar, existe sempre a palavra NÃO. Quem tem dificuldade em conjugar este advérbio dificilmente fará algo na vida.

 

Apesar de décadas a caminharmos para um tratamento igualitário, de mulheres cada vez mais presentes em todos os campos da vida, da política às empresas, passando pela prevalência na academia ou medicina, este modo de «virgem ultrajada» teima em permanecer como um atavismo de muitas, sobretudo no campo afectivo.  

 

Gosto de mulheres – e de homens – que vão à luta, que insistem, batalham, ganham o seu lugar nos negócios e na vida não fazendo o falso jogo da fragilidade. São as mulheres habitualmente muitas mais sólidas, resistentes, consistentes, que os patetas que ostentam um tripé entre as pernas.

 

Serve o desabafo para relembrar às senhoras que há homens que também gostam de ser cortejados, seduzidos, e acima de tudo de serem tratados com igualdade e frontalidade. Na vida, no amor, no trabalho, a vitimização nunca deu grandes resultados. Por isso, minhas senhoras, «Às armas».

 

São muito mais respeitadas e valorizadas as que se veem como iguais que as que insistem no papel de vítimas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Galinha velha ainda faz boa canja.

por Fernando Lopes, 23 Nov 14

A vida de uma mulher pode ser recordada por pequeno actos simbólicos de quebra do statu quo, como casar com um homem mais novo. Ocorre-se-me isto a propósito da morte da Duquesa de Alba, duas vezes viúva e lembrada por ter quebrado convenções ao casar com um homem vinte e tal anos mais jovem.

 

Existe uma razão orgânica para os homens se sentirem «confortáveis» junto de mulheres jovens; somos capazes de reprodução por um período mais longo que as mulheres. Se isto fazia sentido em sociedades patriarcais ou quando ter muitos filhos era o que mais se aproximava de um PPR, nos dias de hoje o preconceito subsiste porque a maioria das mulheres não são capazes de desligar a sua afectividade e sexualidade do que a sociedade convencionou como aceitável.

 

A desculpa feminina muito comum que «não estão para aturar crianças» é completamente falsa. Nós homens, somos e permanecemos crianças, independentemente da idade constante no cartão de cidadão. Uma mulher apenas pode optar por gradações do nível de infantilidade do companheiro, não se pode alhear que a mesma estará sempre presente.

 

Não tenho preconceitos em relação a mulheres mais velhas, se me apaixonasse por uma, seguiria em frente. Apaixonamo-nos por pessoas, não por idades. Cumpre pois às mulheres libertarem-se de estigmas patetas e viverem livremente, ignorando o socialmente correcto.

 

Como diz o ditado, «galinha velha ainda faz boa canja». Provem-no.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • Fernando Lopes

    Esta não é totalmente surda, ouve muito mal mas re...

  • alexandra g.

    Uma bela albina, poderia ser gémea da gata da minh...

  • Fernando Lopes

    Tu és de pouco alimento, a despesa suporta-se bem....

  • Anónimo

    Com a poupança que tens tido nos almoços comigo e ...