Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Artie Lange.

por Fernando Lopes, 1 Set 14

Conhecia-o apenas de filmes cómicos e fiquei extasiado a assistir a uma entrevista num qualquer «Late Night Show» americano. O homem, além de cómico portentoso, viveu tudo: drogas, álcool, sexo, jogo, depressão, tentativa de suicídio. Riu-se de si mesmo com uma vontade de que só os grandes são capazes. Estava a fazer a promoção ao livrito «Crash and Burn», um título que em si mesmo é um tratado. Não resisto a contar uma das pequenas estórias com que brindou a audiência:

 

Artie era frequentemente convidado para actuar em casinos de Los Angeles, entre várias razões além do seu talento, o facto de ser um jogador compulsivo, que recebia 100.000 USD de cachet e gastava 104.000 em jogo, drogas, meninas e bebida. Uma noite colocaram-no numa suite de luxo com duas belas prostitutas a acompanhar. Nos preliminares Artie tem uma vontade enorme de ir à casa de banho. Em cima de uma mesa o cachet, pó e diversos. Tinha medo de ser roubado pelas prostitutas, mas não as queria ofender mandando-as para fora do quarto. Para estranheza das profissionais pediu-lhes que batessem palmas enquanto passava pela sanita. Ninguém consegue roubar enquanto está a bater palmas. Acederam com relutância, e lá ficaram enquanto se aliviava. Confessa:

 

- Foi uma das sensações mais bizarras da minha vida. Saio a apertar as calças e lá estavam elas a bater palmas. Senti-me como um miúdo quando está a fazer «treino de sanita» e a mãe o felicita por fazer chichi no local certo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Parabéns, Manuel Jorge Marmelo.

por Fernando Lopes, 20 Fev 14

Há dois ou três escritores que me encantam tanto pela sua obra como pelo ser humano que são. Manuel Jorge Marmelo é uma dessas pessoas, de quem um amigo comum, jornalista na Antena 1, teceu enormes elogios como escritor e homem. Não basta ser bonito por dentro, é também imperativo ser bonito por fora, uma boa pessoa. Trocámos palavras de circunstância numa manifestação em defesa da Escola da Fontinha. MJM certamente não se recordará, mas estava lá, confrontando o poder instituído, lamentando a falta de unidade da esquerda. Parabéns Manuel Jorge, este prémio é a prova que a integridade, os homens que não se vendem, ainda são reconhecidos no meio da ruína vigente. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Luiz Pacheco e a morte.

por Fernando Lopes, 5 Jan 14

Naquela altura morria muita gente de tuberculose, hoje é de cancro ou do coração, morre-se de qualquer coisa, tanto faz, vivemos entre mortos, gente que vai morrer e sabe que vai morrer e gente que já morreu, gente morta ou provavelmente morta ou morta daqui a bocado, amanhã, hoje ainda talvez, morte súbita, morte zás! e adeus… os mortos caem em todos os lados, caem-nos em cima, apertam-nos, já não metem medo, são tantos, há muitos, há cada vez mais companhia de mortos, tornam-se maçadores, abafam o ar. Aparecem-nos às vezes com um sorriso, fingem bem, mas debaixo dos fatos vem um cheiro que não engana, os olhos são vazios e lúcidos, já não querem ou esperam nada, estão mortos por detrás da gravata.
(…) Vamos criando distâncias pela vida fora, vamos morrendo uns para os outros. E também vamos morrendo dentro de nós. Dou os bons-dias a tipos que já matei; passo na rua por alguns satisfeitos fantasmas que se espantam (gritam-me: Ó pá, inda és vivo?) quando me vêem respirando e mexendo dentro da minha farpela pobre. Dormi mais de dez anos com o cadáver da minha mulher e na mesma cama. Jamais nos conhecemos, fomos sempre dois mortos um para o outro. São coisas que acontecem.

 

In "O Teodolito"

Autoria e outros dados (tags, etc)

Rothko.

por Fernando Lopes, 17 Set 13

 

A minha capacidade de olhar é tal que os meus olhos acabarão por consumir-se. E este desgaste das pupilas será a doença que me levará a morrer. Uma noite olharei tão fixamente na escuridão que acabarei dentro dela.

 

Mark Rothko

Autoria e outros dados (tags, etc)

mais um dia em Portugal

por Fernando Lopes, 22 Set 12

Ah, o tempo. Oh, este tempo.
Para que servem os dias?
Para nos acordar, para colocar entre noites intermináveis.

 

E, entretanto, em todo o lado, cheques são devolvidos e contas bancárias são automaticamente fechadas.
Passwords expiram.
E todos fazem contas, comparam e prevêem.
Será o melhor dos tempos, o pior dos tempos, ou apenas um tempo?

 

 

adaptação minha de um poema de Laurie Anderson


Autoria e outros dados (tags, etc)

Comunicado

por Fernando Lopes, 30 Abr 12

Na frente ocidental nada de novo.

O povo

Continua a resistir.

Sem que ninguém lhe valha,

Geme e trabalha

Até cair.

 

Miguel Torga

 

Poema oferecido pela Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto nas comemorações dos 38 anos do 25 de Abril.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A grande arte produz-se de barriga vazia

por Fernando Lopes, 6 Mar 12

Vítor Lança

A ideia de que ser artista não é um modo de vida, antes uma fruição para ser partilhada à borla, é uma ideia peregrina que parece ganhar renovado vigor em tempo de crise. Vem esta prosa a propósito de um prémio atribuído ao jovem artista plástico André Lança. Concorreu e venceu a XVII Galeria Aberta, que decorreu em Beja. Pela obra acima deveria, e digo deveria, ter recebido um prémio pecuniário de 1.600 €. Não lhe pagam com a habitual desculpa, "problemas de tesouraria". Tem o vereador da cultura o desplante de afirmar "A câmara vai continuar a apoiar os artistas locais, mas só paga quando tiver dinheiro. Mas se os artistas não quiserem colaborar nestas condições, digam e nós deixamos de contar convosco". É assim mesmo, o artista quer-se miserável e subjugado. Todos sabemos que a pobreza é muito mais criadora do que a opulência.

Autoria e outros dados (tags, etc)

"cisnes reflectindo elefantes"

por Fernando Lopes, 8 Fev 12


Uma improvável parceria entre John Hench (Disney) e Salvador Dali, ao som dos Pink Floyd. A história toda no bitaites.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Rumble Fish

por Fernando Lopes, 20 Jan 12


Um dos filmes da minha vida. Sobre um mauzão que já o não é, um irmão obcecado em seguir as pisadas do mais velho e de como o espaço [entenda-se liberdade, autonomia] é necessário para nos encontrarmos. Num filme a preto e branco quando isso era mais do que vanguarda, com Mickey Rourke, a quem sempre invejei o aspecto físico, mas sobretudo o ar cool. Coppola num dos seus momentos mais altos. Como diria Lauro António, let's look at a trailer.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tempo

por Fernando Lopes, 11 Jan 12

Havia um casal, casado há muito, muito tempo, que sempre se tinha odiado, nunca capazes de se suportar um ao outro.
E quando estavam já nos noventa, resolveram finalmente divorciar-se.
E as pessoas perguntaram: Porque é que esperaram tanto tempo? Porque é que não se divorciaram antes?
E eles responderam: Bem, queríamos esperar até que as crianças morressem.


Adaptação de "Another day in America" de Laurie Anderson

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • Fernando Lopes

    Eu deixo, só que estamos a assistir a uma espécie ...

  • lucilia

    Veja como sou distraída -foi em S.Bento

  • lucilia

    ahahah nem a propósito, hoje fui à sua cidade. Na ...

  • Fernando Lopes

    Ainda hoje essa duplicidade faz parte da gente do ...