Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Os parvos dos telemóveis.

por Fernando Lopes, 19 Ago 14

Fotografia: Kc Alfred/Reuters

 

O tema não é novo, mas particularmente irritante. A boa juventude assiste a concertos através do telemóvel. Num dos últimos, aturei um bacano de rastas e ar de parvo que comentava que «tinha comprado um cartão de 8 gigas para gravar o concerto». Não tenho nada contra quem tira meia-dúzia de fotografias de um espectáculo, eu próprio o faço, mas dois ou três bonecos são mais que suficiente. Esta malta não vê os músicos a não ser através do ecrã, não se concentra na música, apenas está preocupada em registar para a posteridade não se sabe bem o quê. O primeiro concerto a que assisti, há mais de 35 anos, foi de Lene Lovich, no saudoso pavilhão do Infante de Sagres, ali junto à Marechal. Recordo-me de imensos pormenores porque estava lá para curtir a música, o som, as luzes, não armado em Spielberg.

 

Leio no The Guardian que Kate Bush pede aos fãs para não usarem telemóveis ou tablets no seu show de regresso: «Tenho um pedido a fazer a todos os que estarão presentes nos próximos shows. Propositadamente escolhemos um pequeno teatro em vez de uma grande sala ou estádio. Seria muito importante se evitassem tirar fotos ou filmar».

 

Talvez explicar aos espectadores que as mais belas imagens e recordações não ficam gravadas no Youtube, iCloud ou similares, mas na nossa memória. É para isso que temos um cérebro em vez de um dispositivo electrónico.

Autoria e outros dados (tags, etc)

6 comentários

De .. a 19.08.2014 às 23:00

Mas nem todos ainda descobriram que têm cérebro, Fernando! Ainda andam à procura do botão (onde) que o liga! Hoje as pessoas quase não pensam. Funcionam a teclas. Enfim... Memória para eles só a ram e coisas do género. Uma boa semana espero que estejam todos bem! Aproveitem o Verão, tem sido tão escasso. Se calhar vamos ter grandes meses em Outubro e Novembro. Até o tempo anda "desaparafusado" Tudo de bom para todos! Um abraço.

De Fernando Lopes a 19.08.2014 às 23:04

O exercício da memória nestas situações é algo de ternurento, agridoce, que não pode ser reproduzido em HD ou contabilizado em megapixeis.


Abraço.

De bloga-mos a 20.08.2014 às 13:19

No "Lost Higway" do Lynch há uma personagem que diz que não tem máquina de fotografar ou filmar porque prefere lembrar-se das coisas tal como as recorda e não exactamente como aconteceram...

De Fernando Lopes a 20.08.2014 às 14:04

É poético e faz todo o sentido. Há uma nostalgia nas memórias que a realidade nua e crua pode matar.

De Ana A. a 20.08.2014 às 18:05

"É para isso que temos um cérebro em vez de um dispositivo electrónico."
Diga isso aos putos que não querem aprender a tabuada...

De Fernando Lopes a 20.08.2014 às 19:08

É diferente. Os miúdos aprendem cálculo de um modo tão diferente que só a minha mulher consegue ensinar matemática. Mas estou de acordo que a memorização também faz parte do processo.

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • Fernando Lopes

    Esta não é totalmente surda, ouve muito mal mas re...

  • alexandra g.

    Uma bela albina, poderia ser gémea da gata da minh...

  • Fernando Lopes

    Tu és de pouco alimento, a despesa suporta-se bem....

  • Anónimo

    Com a poupança que tens tido nos almoços comigo e ...