Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Os cães e os seus drogados.

por Fernando Lopes, 13 Mai 16

Quem andar a pé pela Boavista e baixa da cidade reparará que muitos cães adoptam o seu bêbado ou drogado. Por alguma estranha percepção sentem que aqueles homens estão mais frágeis, e nunca, nunca, os abandonam. Na rotunda temos vários casos desses; o drogado da muleta que corre sem ela e o seu cão, outro meio índio que tem sempre o cão atrás de si, o alcoólico – prefiro sempre a palavra bêbado, menos inócua – que é «auxiliar de aparcamento urbano» nas traseiras do Bom Sucesso. Já vi o bêbado enxotar o cão. Este colocou-se a uma distância prudente para evitar o pontapé ameaçador e continuou a sua tarefa de anjo da guarda. São os cães que tomam conta dos homens, ou o contrário? Devem os bichos pressentir quando alguém está prestes a perder a sua humanidade face ao vício. Querubins improváveis, tomam conta e são ajudados. É uma ligação bonita, cooperativa, em que nenhuma das partes necessita verdadeiramente da outra, mas em que duas solidões se transformam numa relação. Cuidar e ser cuidado não é coisa de gente ou de cão, o amor apresenta-se de mais formas do que imaginamos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas:

12 comentários

De Ana A. a 13.05.2016 às 19:05

Por acaso não consigo vê-los com esse romantismo. E na baixa do Porto quando os vejo, fico com a sensação de que os cães estão a ser "usados e abusados", para os donos terem a atenção e o dinheiro dos passantes. Oxalá, a percepção do Fernando seja a certa.

De Fernando Lopes a 13.05.2016 às 19:10

É uma relação de mútuo interesse. Os pedintes sabem que os cães comovem as pessoas, os animais aproveitam comida e companhia. Nos casos da Boavista, que conheço melhor, a ligação será talvez menos evidente e mais desinteressada. Tudo menos o acordeonista com o cão a segurar o cestinho de moedas. Esse, abomino. 

De Carlos A. de Carvalho a 13.05.2016 às 20:59

Quem mais pode dar amor incondicional, amizade sem pedir nada em troca, afeição sem esperar retorno, proteção sem ganhar nada, fidelidade vinte e quatro horas por dia? Ah! Não me venham com essa de que os pais fazem isso, porque os pais são humanos. E quando os agredimos eles ficam irritados e se afastam...

Um cão não se afasta mesmo quando você o agride, ele retorna cabisbaixo pedindo desculpas por algo que talvez não fez, lambendo suas mãos a suplicar perdão.
Alguns anjos não possuem asas, possuem quatro patas, um corpo peludo, nariz de bolinha, orelhas de atenção, olhar de aflição e carência.

De Fernando Lopes a 14.05.2016 às 09:54

Comentário bonito e absolutamente verdadeiro. Obrigado, Carlos.

De pimentaeouro a 16.05.2016 às 11:06

Infelizmente não posso ter um amigo desses.

De Fernando Lopes a 16.05.2016 às 18:56

Há raças que não dão grande trabalho e fazem imensa companhia, mas concordo que os animais são uma prisão. Quando o meu cão ficou senil passei seis meses a dormir no sofá para tomar conta dele. 

De Anónimo a 14.05.2016 às 11:38

Sou o cão de mim próprio. Não tem resultado grande coisa.
Filipe sarnento

De Fernando Lopes a 14.05.2016 às 13:06

Fizeste-me lembrar o «Timbuktu» do Paul Auster, também és uma alma perdida à procura de nova dona. :)

De Anónimo a 14.05.2016 às 15:12

Timbuktu c´est moi...

De redonda a 16.05.2016 às 23:48

Acho que conheço o da muleta, quem o conheceu primeiro foi uma das minhas irmãs que adora animais e conversaram sobre cães e dela fiquei com a ideia que ele gosta realmente do cão.

De Fernando Lopes a 17.05.2016 às 20:34

O Porto é mesmo uma aldeia, conhecemos os sem-abrigo, drogados e outros. É encantador morar numa cidade em que todos, até os excluídos, se conhecem de vista. :)

De redonda a 17.05.2016 às 22:21

Gosto de morar no Porto :)

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback