Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

casaChristinaFoto1.jpg

 

Talvez por estar a ficar entradote, recordo-me de algumas lojas e serviços que existiam na minha infância. Não sendo nostálgico, uma simples frase, publicidade, deixa, trazem-me à memória coisas de antanho e colocam-me um sorriso pateta na face. Falam na televisão de um serviço de entrega de pão ao domicílio e logo recordei a padeira que percorria Álvares Cabral com uma longa canastra em forma de piroga, deixando o pão aqui e ali num saquinhos de pano, quase todos eles com motivos regionais. Ainda hoje ocasionalmente faço compras na mercearia fina «O Pretinho do Japão», na Rua do Bonjardim, onde fui muitas vezes pela mão da avó. Recordo também que os avós encomendavam – e encomendar é o termo – os sapatos na «Sapataria Danilo». Quando miúdo já era um local para velhos, mas dizia-me o avô que os sapatos eram quase indestrutíveis Era só escolher o modelo, pois as medidas do pé estavam arquivadas na loja e os sapatos eram feitos à mão. Sorrio ao lembrar a «Casa Christina» e o café de diversas proveniências e em peso sempre igual, misturado, que era levado num cartucho de papel para fazermos um café de cafeteira e que tinha o melhor cheiro do mundo. Recordo todas estas coisas e tenho saudade de um tempo em que se consumia devagar, nos mesmos sítios, atendido por gente que nos conhecia. Parece ontem e tudo se passou há mais de 40 anos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

15 comentários

De Fernando Lopes a 27.05.2017 às 18:47

Compreendo-te bem. Hoje em dia tudo é produzido industrialmente, das frutas e legumes, à carne e peixe. É lamentável? É. Mas existe mais gente, que come mais, consome mais, dificilmente poderia ser de outra forma.

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • Anónimo

    Mas olhar directamente pode ser muito intimidante ...

  • Fernando Lopes

    Agradeço o abraço e retribuo ainda com mais vigor....

  • Linda Blue

    Eu nunca consegui ir ao cemitério "ver" o meu pai....

  • Fernando Lopes

    Temos modos comuns de lidar com a ausência, não é ...