Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O drama da escolha.

por Fernando Lopes, 14 Mar 18

As mulheres – OK, vamos especificar correndo o risco de sevícias – a minha mulher, tem uma dificuldade enorme em escolher o que comer. Quanto mais opções tem, mais se baralha, lendo e relendo o menu até os restantes comensais desmaiarem de fome. Vamos quase sempre ao mesmo restaurante ao sábado. A lista é sempre a mesma, excepção feita à meia-dúzia de pratos do dia. Pois a santinha – que nosso senhor a conserve – lê-o na íntegra todas as semanas como se da melhor literatura se tratasse. No fim escolhe sempre a opção que lhe tinha chamado a atenção inicial, não sem antes percorrer cuidadosamente as noventa e nove restantes. Hoje decidimos pedir pizza. Devia ser fácil, certo? Não. Depois de analisar as 1.001 opções existentes, descobriu que era mais barato e prático pedir três médias em vez de uma familiar. Voltou à estaca zero. Depois questionou-nos sobre cada um dos ingredientes. Confirmou os nossos desejos. Depois, reconfirmou-os. Um processo que deveria ser simples, demorou meia-hora. É só a minha mulher que é assim, ou as senhoras são sempre tão complicadas?

Autoria e outros dados (tags, etc)

28 comentários

De alexandra g. a 14.03.2018 às 23:01

Nada de generalizar, ou temos pancada entre boa gente.
Comigo, é peixe, fresco & belo, frito, cozido ou assado.
Ai!

De Fernando Lopes a 15.03.2018 às 07:25

Eu não generalizei, limitei-me a colocar uma questão. :)

De alexandra g. a 15.03.2018 às 20:55

É claro que não generalizaste, eu é que ignorei ostensivamente o facto 

De Fernando Lopes a 15.03.2018 às 21:53

Adoro a «corporação» feminina. Sem vocês e as vossas manias o mundo seria de uma monotonia assustadora. 

De alexandra g. a 15.03.2018 às 22:00

Nada de «corporações». Eu cá posso ser um gajo, não percebeste? Somos iguais, todos!
Deixa-te tb de manias, tu, 

De redonda a 15.03.2018 às 00:10

Portanto, se bem percebi, graças ao estudo e atenção dela, além de permanecerem no restaurante que será um espaço quente, confortável e acolhedor, mais algum tempo, puderam também comer três pizzas em vez de uma, certo?

De Fernando Lopes a 15.03.2018 às 07:27

Verdade. Nesta casa existe sempre uma aturada análise do menu, mesmo quando, como neste caso, foi um pedido para entregar em casa. Eu é que já estava com tonturas, Gábi.

De redonda a 15.03.2018 às 00:12

E como é que conseguimos apagar no blogue sapo um comentário repetido que primeiro saiu anónimo quando pensei que não iria sair e iria ter tempo para colocar dados porque PC me informava que estaria sem net?

De Fernando Lopes a 15.03.2018 às 07:27

Your wish is my command, my dear.

De redonda a 15.03.2018 às 23:26

:)

De Anónimo a 15.03.2018 às 10:26

Bom dia!!
Quanto maior a escolha, maior a complicação! A tua mulher não é complicada. Apenas avalia todas as opções e tenta escolher a melhor.
Cá no meu caso, quando vou a um restaurante,  tenho sempre a sensação que deveria ter escolhido outro prato. O do vizinho parece sempre mais saboroso que o meu... É aquele velho ditado "A vaca da vizinha dá mais leite que a minha..."   


Bom dia e bom almoço. Escolhe bem :)
MM

De Fernando Lopes a 15.03.2018 às 18:40

Não sou dado a grandes hesitações, a paparoca, desde que bem feitaserve. Ainda sou do tempo em que se gostavas comias mais, se não gostavas comias menos, mas existiam estas «frescuras» de dar a escolher aos meninos tudo o que querem. Excepção feita à farinha de pau, como quase qualquer coisa. :)

P.S. - O almoço foi bife com molho de francesinha e legumes cozidos.

De Anónimo a 15.03.2018 às 15:08

Uma amiga já farta de lhe ser chamada a atenção para tais demoras na escolha do repasto passou ao exercício de fechar os olhos e apontar para a ementa. Esteve meses a comer pão e azeitonas com infusão de camomila.
Filipe que se satisfaz com couves...

De Fernando Lopes a 15.03.2018 às 18:41

Desnutrida talvez, mas elegantíssima essa tua amiga. ;)
Fernando do «tudo com couves».

De Carlos A. de Carvalho a 15.03.2018 às 18:45

Achei que era só a minha . A Senhora cá de casa , entrou em um tasco  próximo a Piodão  que só tinha dois tipos de sumo e levou por volta de 20 minutos para escolher o que queria . Como não se resolvia , pedi os dois e solicitei gentilmente que os prova-se e escolhe-se o que mais lhe sabia bem . Olhou para mim e disparou : chato , intolerante , velho sem paciência , vai-te tratar . Velho sem paciência foi demais , ela esqueceu que é mais velha que eu . Só um mês , mas é . 

De Fernando Lopes a 15.03.2018 às 21:51

Essas brigas são engraçadas, porque normalmente só acontecem a quem está junto há muito, muito, tempo.

De Pseudo a 16.03.2018 às 14:14


Eu não sou assim. Dos três elementos do agregado familiar, sou certamente quem escolhe mais rapidamente o que quer comer, sendo o adolescente o mais lento do grupo. 
E dou-te outra situação exemplo: detesto ir com o meu marido às compras para a casa / frigorífico, porque ele literalmente passeia pelos corredores, observa os vários produtos e preços, compara e volta atrás e muda de ideias e regressa onde já esteve. E eu não tenho paciência para isto: porque sei o que quero, onde está, pego, e pago. Cada um de nós vai às compras sozinho. :)

De Fernando Lopes a 16.03.2018 às 18:58

O teu marido é como a minha mulher, consumidores cautelosos. Quando vou às compras, ou a chefa me diz o que quer ou então sigo-me completamente pelo instinto. Obviamente, as minhas compras saem sempre mais caras. :(

De alexandra g. a 16.03.2018 às 21:12

"O teu marido é como a minha mulher, consumidores cautelosos. Quando vou às compras, ou a chefa me diz o que quer ou então sigo-me completamente pelo instinto. Obviamente, as minhas compras saem sempre mais caras. :("




Tu és 'exactamente' igual ao meu ex-marido.Com a mesma lista de compras, eu despachava o assunto em 20 minutos (casa de 4, à época) e € 35,00/€40,00, enquanto ele demorava 1 hora e gastava € 120,00.............................. Creio que isto se devia ao excesso de visionamento de anúncios televisivos, mas conseguiu a proeza de me declarar, em processo de divórcio, que, comigo, não se construiu património algum.


________________--
p.s. - ainda hoje considero que o único património são a descendência, os filhos.... :)
p.p.s. - é provável que tenha reconsiderado, agora que tem duas filhas lindas, maiores de idade e uma neta (pergunto-me se lhe mudará uma fralda :)

De Fernando Lopes a 17.03.2018 às 09:14

É assim: não sou influenciado pela publicidade, aproveito uma ou outra promoção. Se levar uma lista, sei o que se consome cá em casa, o custo é igual. Perco-me é porque encho o carrinho do picante xpto que não experimentei, trago sempre coisas novas, as bolachas não sei o quê, e assim sucessivamente. Sou sempre tentado a experimentar cenas fora do habitual.


_____________
P.S. - O património é amar a filha, dar-lhe a melhor educação possível, apoiá-la.
O dinheiro, as casas, os carros e essas merdas todas ficam cá quando quinar. 

De alexandra g. a 17.03.2018 às 20:21

Pronto, agora também tenho que confessar: estou tesa como um carapau no areal da Nazaré e comprei Masala: picantes, especiarias,ervas aromáticas...não resisto,por Zeus!  

De Henedina a 18.03.2018 às 01:05

Este post é de "Homem" não de Fernando.
Já que estamos a falar de "mulheres"...
Gosto, agora, que escolham por mim e quando escolhem sei logo exactamente o que me apetece que pode não ser a escolha.
Se gosto da companhia aei o que prefere tenho tendencia a aceitar para agradar se for para 1 dose para 2...desde que não incluo couscous ;)

De Henedina a 18.03.2018 às 01:06

Inclua...

De Fernando Lopes a 18.03.2018 às 11:43

Sempre vi as mulheres como mais que iguais, parceiras, o que não me impede de aqui e ali ter um ponto de vista masculino. É a minha natureza. 


Couscous também não sou fã, mas comi tagine de borrego deliciosa no meio de Marrocos, numa cidade de 500 habitantes, sítio modestíssimo, onde serviam da melhor comida marroquina que já experimentei. 

De M Manel a 24.03.2018 às 14:06


Olá!!
Afinal, onde para o blogger? 
Bjt

De Fernando Lopes a 31.03.2018 às 00:08

O blogger está de férias, meditabundo, sem nada de mais para contar.
Beijo.

De Maria Manel a 13.04.2018 às 10:49

Hello! (estamos numa zona turística...)


As férias meditabundas já terminaram ? 


Então, um destes dias "dejeuner" ? -  z. turística, não esquecer !!! 
Bjts 

De Fernando Lopes a 15.04.2018 às 10:01

Done deal. :)

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback